Convento de Nossa Senhora da Graça de Lisboa

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/TT/CNSGL
Title type
Atribuído
Descriptive dates
[1266?]-1829
Dimension and support
16 liv., 33 mç; perg., papel
Biography or history
O Convento de Nossa Senhora da Graça de Lisboa era masculino, pertencia à Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, ou Agostinhos Calçados e à Província de Portugal da qual era sede.

O convento era também conhecido por Convento de Santo Agostinho de Lisboa ou por Convento de São Gens de Lisboa.

O Convento parece estar ligado nas suas origens (segunda metade do século XII), a uma comunidade de eremitas sediada no monte de São Gens, junto à ermida de Nossa Senhora do Monte.

Em 1243, presidia a este convento o italiano João Lombard que, depois do Capítulo Geral de 1256, foi encarregado pelo geral Lafranc Septala de organizar os Agostinhos em Portugal.

Cerca de 1271, a comunidade foi transferida para o bairro de Almofala, dentro da cidade, local que se revelou impróprio.

Em 1291, os Ermitas de Santo Agostinho deslocaram-se para o então chamado Convento de Santo Agostinho.

Inicialmente, o Convento tinha a invocação de Santo Agostinho mas, em 1305, mudou a invocação para Nossa Senhora da Graça, por disposição do oitavo Geral da Ordem dos Agostinianos, Frei Francisco do Monte Rubiano, e em cumprimento de voto por ele feito em Roma. Neste Convento se fixou a cabeça da Ordem dos Eremitas em Portugal.

Em 1551, residiam no Convento cerca de 70 frades, com 13 capelas, umas de instituição particular e as de Nossa Senhora da Graça, Santa Ana, São Marçal, as 3 com irmandades, Espírito Santo, da Assunção e Santa Mónica e tinha de renda 2.500 cruzados.

Os conventos de Eremitas de Santo Agostinho separaram-se dos de Castela em 1447, constituindo-se em província independente. A sua principal casa era o Convento de Nossa Senhora da Graça em Lisboa, mas possuíam outros conventos masculinos e femininos, no Porto, em Coimbra, Braga, Évora, Torres Vedras, Vila Viçosa, Castelo Branco, Tavira, Loulé, etc.

Em 1572, os Eremitas de Santo Agostinho estabeleceram-se em Goa e formaram mais tarde a Congregação da Índia Oriental.

Em 1586 foi instituía a Irmandade de Vera Cruz e Passos de Cristo, por Luís Álvares de Andrade, paroquiano de São Nicolau e pintor régio.

Em 1587, realizou-se pela primeira vez a Procissão dos Passos da Graça, na Quaresma.

Em 1609, em Goa, a 30 de Outubro, o arcebispo D. Frei Aleixo de Meneses passou certidão em como cedia para sacrário do Mosteiro de Nossa Senhora da Graça de Lisboa, a caixa de cristal, que lhe tinha sido oferecida pelo rei de Ormuz, por ser o Mosteiro onde o arcebispo tinha sido criado, conforme carta que estava em poder do padre procurador-geral da Província de Portugal na Índia.

Em 1755, o terramoto provoca a derrocada parcial da igreja.

Em 1817, a 3 Novembro, a Irmandade dos Passos deixou de ser titular dos cindo padrões de juros reais a ela legados por D. Frei António Botado, e em 1829, D. Miguel tornou-se provedor perpétuo da Irmandade do Senhor dos Passos, que passou a ser denominada Real.

Em 1834, no âmbito da "Reforma geral eclesiástica" empreendida pelo Ministro e Secretário de Estado, Joaquim António de Aguiar, executada pela Comissão da Reforma Geral do Clero (1833-1837), pelo Decreto de 30 de Maio, foram extintos todos os conventos, mosteiros, colégios, hospícios e casas de religiosos de todas as ordens religiosas, ficando as de religiosas, sujeitas aos respectivos bispos, até à morte da última freira, data do encerramento definitivo.

Os bens foram incorporados nos Próprios da Fazenda Nacional.

A igreja, a sacristia e a casa do capítulo são entregues à Irmandade do Senhor dos Passos.
Custodial history
Em virtude das Portarias do Ministério da Fazenda de 26 de Novembro de 1863 e 24 de Agosto de 1864, foram transferidos do cartório da Direcção-Geral dos Próprios Nacionais para o Arquivo da Torre do Tombo os livros e documentos pertencentes aos extintos Conventos de São Francisco de Lisboa, da Piedade de Cascais, de Santo António dos Olivais de Coimbra, de São Francisco de Chaves, de Santo António de Castelo Branco, de São Francisco de Barcelos, de Santo António da Covilhã, de São Jerónimo do Mato, de São Francisco de Tavira, do Carmo de Lagoa, do Carmo de Camarate, de São Francisco de Alenquer, do Espírito Santo do Cartaxo, de Nossa Senhora da Graça de Lisboa, de Nossa Senhora do Espinheiro de Évora, da Ordem Terceira da Penitência de Faro.

Em 1883, a 9 de Maio, em virtude da Portaria do Ministério da Fazenda, de 20 de Março de 1865, os documentos foram transferidos do cartório da Repartição de Fazenda do Distrito de Lisboa para o Arquivo da Torre do Tombo.

Em 1894, a 14 de Maio, foram incorporados os documentos vindos da Direcção-Geral dos Próprios Nacionais.

Em 1912, a documentação, que se encontrava na Biblioteca Nacional, foi enviada pela Inspecção das Bibliotecas e Arquivos para a Torre do Tombo.

Parte da documentação esteve integrada na designada Colecção Especial. Entre os anos de 1938 e 1990, sempre que possível e considerando a sua proveniência, a documentação foi reintegrada nos fundos, numa tentativa de reconstituição dos cartórios de origem. Estes documentos foram ordenados cronologicamente, constituídos maços com cerca de 40 documentos, aos quais foi dada uma numeração sequencial. no entanto as Bulas do Convento de Nossa Senhora da Graça de Lisboa permanecem na Colecção Especial.

Em 1990, sob orientação da Dr.ª Maria José Mexia Bigote Chorão, alguns documentos deste fundo foram nele integrados, depois de ter sido identificada a sua proveniência, e retirados da colecção Documentação de conventos por identificar, cx. 14, conforme apontamento existente na caixa.

No final da década de 1990, foi abandonada a arrumação geográfica por nome das localidades onde se situavam os conventos ou mosteiros, para adoptar a agregação dos fundos por ordens religiosas.
Scope and content
Contém livros de escrituras do mosteiro (originais e traslados) de receita e despesa, tombos de propriedades, demarcações, testamentos e certidões de testamentos, instituição de capelas, instrumentos de posse, alvarás do duque de Bragança, cartas de venda, de doação, de arrematação, de quitação, cartas régias, bulas, sentenças executórias, emprazamentos, aforamentos, renúncias, juros reais da Alfândega, juros da Casa das Carnes, juros no Almoxarifado da Casa da Fruta, no Pescado Real, no Almoxarifado de Coimbra, juros na Casa dos Cinco, da Casa da Índia, juros da Junta do Tabaco, juros na Casa de Bragança, na extracção do sal de Setúbal e juros particulares, Almoxarifado de Portalegre, Imposição de vinhos, foros de propriedades doadas ao convento, foros de propriedades fora de Lisboa, sentenças e execução de sentenças, contas da administração da legítima materna, contratos de compra de capelas, petições e certidões, instituição de missas, compra de missas por alma, trespasse de missas, relatórios, mapa de toda a renda do convento, das fazendas do convento que pagam renda de trigo e cevada, mapa dos foros de vinho, dos foros de azeite. Inclui também traslados do séc. XVIII de documentos dos sécs. XIV-XVI.

A documentação inclui correspondência, relatórios e memórias entre outros documentos enviados pelos religiosos dos conventos que a ordem possuía em diferentes lugares do ultramar.

Contém documentos relativos ao governo da Província: Livros de receitas e despesa, listas de receitas e gastos, resumos de receitas e gastos, livro de actas dos Capítulos Provinciais celebrados no Convento.

Guia de Fundos Eclesiásticos; Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho; Masculino
Arrangement
Ordenação numérica específica para cada tipo de unidade de instalação (livros e maços).
Other finding aid
ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO - [Base de dados de descrição arquivística]. [Em linha]. Lisboa: ANTT, 2000- . Disponível no Sítio Web e na Sala de Referência da Torre do Tombo. Em actualização permanente.

Índice (inventário) dos livros de diversos conventos, ordens militares e outras corporações religiosas guardados no Arquivo da Torre do Tombo, conventos diversos, caderneta 3 (Santo Elói a Teatinos) (C 270) f. 48-50. Descreve 8 livros.

Relação de livros e documentos pertencentes aos extintos Conventos de São Francisco de Lisboa, da Piedade de Cascais, de Santo António dos Olivais de Coimbra, de São Francisco de Chaves, de Santo António de Castelo Branco, de São Francisco de Barcelos, de Santo António da Covilhã, de São Jerónimo do Mato, de São Francisco de Tavira, do Carmo de Lagoa, do Carmo de Camarate, de São Francisco de Alenquer, do Espírito Santo do Cartaxo, de Nossa Senhora da Graça de Lisboa, de Nossa Senhora do Espinheiro de Évora, da Ordem Terceira da Penitência de Faro que, em virtude das Portarias do Ministério da Fazenda de 26 de Novembro de 1863 e 24 de Agosto de 1864, foram transferidos do cartório da Direcção-Geral dos Próprios Nacionais para o Arquivo da Torre do Tombo (C 273) f. 52-54. Descreve 3 livros

Relação de documentos vindos da Direcção-Geral dos Próprios Nacionais, em 14 de Maio de 1894 (letra L) (C 279) f. 47-52. Descreve 7 livros e 1 maço.

Catálogo de documentos do livro 1 do Convento da Graça de Lisboa (C 348).

Catálogo dos documentos do livro 2 de instituição de capelas do Convento da Graça de Lisboa (C 5).

Relação dos documentos pertencentes ao extinto Convento de Nossa Senhora da Graça de Lisboa que, em virtude da Portaria do Ministério da Fazenda, de 20 de Março de 1865, foram transferidos do cartório da Repartição de Fazenda do Distrito de Lisboa, para o Arquivo da Torre do Tombo, em 9 de Maio de 1883. Relação assinada por Eduardo Tavares, delegado do Tesouro, e por Roberto Augusto da Costa Campos, ajudante do oficial maior da Torre do Tombo (C 349).

Catálogo de documentos dos livros 5, 6, e 7 do Convento da Graça de Lisboa (C 350).

Catálogo de documentos do livro 8 do Convento da Graça de Lisboa (C 351).

Inventário dos cartórios recolhidos da Biblioteca Nacional, em 1912 (L 283) f. 92. Descreve 1 livro.

Inventário das Corporações Religiosas, desintegrado da antiga Colecção Especial (inclui a tabela de equivalência e a "Nota explicativa" da restituição dos documentos aos cartórios de origem, feita pela conservadora Maria Teresa Geraldes Barbosa Acabado), em 24 de Julho de 1978 (L 208) f. 3v-4.
Related material
Portugal, Arquivo Distrital de Braga.

Portugal, Biblioteca Nacional.

Portugal, Torre do Tombo, Manuscritos da Livraria n.º 1102, 2255.

Portugal, Torre do Tombo, Ministério das Finanças, cx. 2227 , inv. n.º 212.

Completiva:

Portugal, Torre do Tombo, Colecção Especial
Publication notes
COSTA, P. Avelino de Jesus da - "Álbum de Paleografia e Diplomática Portuguesas: estampas". 6.ª ed.. Coimbra, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra; Instituto de Paleografia e Diplomática, 1997. N.º 135, Apêndice II, n.º 308.
"Ordens religiosas em Portugal: das origens a Trento: guia histórico". Dir. Bernardo de Vasconcelos e Sousa. Lisboa: Livros Horizonte, 2005. ISBN 972-24-1433-X. p. 426-427.
Creation date
04/04/2011 00:00:00
Last modification
02/02/2017 09:22:49