Casa Galveias

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/TT/CG
Title type
Atribuído
Date range
1440 Date is certain to 1915 Date is certain
Dimension and support
24 cx.; papel, alguns doc. em pergaminho.
Extents
24 Caixas
Biography or history
O 1º Conde das Galveias (1691) foi Dinis de Melo e Castro (1624-1709), filho 2º de Jerónimo de Melo e Castro e de D. Maria Josefa Corte-Real. Integrou as forças que, sob o comando do Conde de Vimioso, guarneceram a fronteira do Alentejo, após o 1º de Dezembro de 1640, participando, a partir de então, em várias batalhas contra os espanhóis, progredindo de soldado a general de batalha. Foi governador do Alentejo em 1662 e 1663. Pelos serviços prestados foi nomeado, por D. Pedro II, conselheiro de Estado e da Guerra. Durante a Guerra da Sucessão de Espanha, sendo governador das Armas do Alentejo, tomou Valência de Alcântara e Albuquerque. Foi comendador de Santa Marta de Lordelo e de Santa Maria de Torredeita, entre outras. Casou com D. Ângela Maria da Silveira, filha de André Mendes Lobo, capitão de Cavalaria.

O 2º Conde, filho primogénito dos anteriores, Pedro de Melo e Castro, falecido em 1738, couteiro-mor da Casa de Bragança, participou nas guerras da Restauração e da Sucessão de Espanha, chegando a tenente general e a general de batalha. Casou com Isabel de Bourbon, filha dos 2os Condes de Avintes.

O 3º Conde foi António de Melo e Castro, nascido em 1689, filho primogénito dos anteriores, couteiro-mor da Casa de Bragança, comendador de Santa Maria de Torredeita, São Cristóvão de Nogueira, São Pedro de Monsaraz, da Ordem de Cristo, de Colos e Mouguelas, da Ordem de Santiago, e das Galveias, da Ordem de Avis. Casou com D. Inês de Lencastre, dama da Rainha Maria Sofia de Neuburgo, filha de João de Lencastre, governador e capitão general do Brasil.

O 4º Conde (1724) André de Melo e Castro (1668-1753), filho segundo dos primeiros Condes, foi encarregado de missões diplomáticas e negociações junto da Santa Sé e, em 1732, foi nomeado governador e capitão general do Brasil, cargo no qual se manteve até 1749. Seu filho, Francisco de Melo e Castro, nascido em 1702, foi governador de Mazagão e de Moçambique. Do seu casamento com D. Maria Joaquina Xavier da Silva, filha de Manuel da Silva Pereira, cavaleiro professo da Ordem de Cristo, guarda-mor do Consulado de Lisboa, teve dois filhos Manuel Bernardo de Melo e Castro, visconde da Lourinhã, e Martinho de Melo e Castro, diplomata e ministro da Marinha de D. Maria I, e D. Violante Joaquina, que herdou a Casa da Lourinhã, casada com António de Almeida Beja e Noronha, fidalgo da Casa Real.

A representação da Casa recaiu num filho destes, João de Almeida de Melo e Castro, 5º Conde (1756-1814). Seguiu a carreira diplomática, tendo sido ministro de Portugal em Londres, Haia, Roma e embaixador em Viena de Áustria. Em 1801 foi ministro dos Negócios Estrangeiros, cargo do qual foi demitido em 1803. Em 1812 foi para o Rio de Janeiro, tendo sido ministro da Guerra e dos Negócios Estrangeiros, e interinamente, da Marinha e Ultramar. Foi oficial-mor da Casa Real, couteiro-mor da Casa de Bragança, conselheiro de Estado, membro do Conselho da Fazenda, presidente da Junta da Fazenda dos Arsenais do Exército, comendador de São Pedro de Alhadas, da Ordem de Cristo. Casou com D. Isabel José de Meneses, mas deste casamento não houve geração.

Foi 6º Conde Francisco de Almeida de Melo e Castro, irmão do anterior (1758-1819), bacharel em Cânones pela Universidade de Coimbra, oficial-mor da Casa Real, 1º senhor de Azaruja, alcaide-mor de Borba, comendador de São Pedro de Monsaraz e de São Lourenço de Parada, da Ordem de Cristo, deputado da Mesa da Consciência e Ordens. Casou com D. Maria de Monserrate Lobo de Saldanha, filha herdeira de Martim Lopes Lobo de Saldanha, alcaide-mor de Castelo Ventoso, comendador da Ordem de Cristo, governador e capitão general da capitania de São Paulo, no Brasil.

O 7º Conde, António Francisco Lobo de Almeida Melo e Castro de Saldanha e Beja, filho dos anteriores, nasceu em 1795 e morreu em 1871. Oficial de Cavalaria, participou na campanha do Rio da Prata. Foi oficial-mor da Casa Real. Casou com D. Ana Máxima de Almeida e Oliveira Calheiro, filha de Francisco Lopes Calheiro de Meneses, fidalgo da Casa Real.

O 8º Conde, filho dos anteriores, foi Francisco Xavier Lobo de Almeida de Melo e Castro (1824-1892), também oficial-mor da Casa Real e par do Reino. Casou com D. Catarina de Sousa Holstein, filha dos 1os Duques de Palmela. Quando o 8º Conde faleceu, sucedeu-lhe um neto, filho de sua filha D. Eugénia Lobo de Almeida Melo e Castro, já então falecida, e de seu marido, José Ferreira Pinto de Avilez. Trata-se do 9º Conde (1895), José de Avilez Lobo de Almeida Melo de Castro, nascido em 1872, oficial-mor da Casa Real, vedor da Rainha D. Amélia, par do Reino, membro do Conselho de Administração da Companhia Nacional de Navegação. Casou com D. Teresa de Lencastre e Oliveira, filha dos 1os Barões de Barcelinhos.

O 10º Conde, José Lobo de Almeida Melo de Castro, filho dos anteriores (1896-1940), foi moço fidalgo e acompanhou D. Manuel II no exílio. Engenheiro, alferes miliciano durante a 1ª Guerra Mundial, participou na revolução de 5 de Dezembro de 1917, com Sidónio Pais. Foi demitido do Exército por ter participado na insurreição monárquica de Monsanto. Casou com D. Maria Guiomar de Vilhena, sua prima, filha de Filipe de Vilhena, fidalgo cavaleiro da Casa Real, adido da Legação em São Petersburgo, e de D. Teresa Lobo de Almeida Melo de Castro. O seu filho e herdeiro, José Filomena Lobo de Almeida Melo de Castro, nascido em 1923, engenheiro civil, foi casado com D. Daisy Maria de Bettencourt de Vasconcelos Correia e Ávila, filha de Diogo de Bettencourt de Vasconcelos Correia e Ávila. Deste casamento nasceu Martinho Lobo de Almeida Melo de Castro, em 1959, actual representante da Casa.
Custodial history
Parte da documentação deste fundo perdeu-se na sequência do Terramoto de 1755, que provocou um incêndio no palácio do Conde de Galveias, onde se encontrava depositada. Outra parte parece ter sido dispersa posteriormente.

Documentação comprada pelo Instituto Português do Património Cultural em 1984 e remetida para a Torre do Tombo em 1985.
Scope and content
Fundo constituído por documentação "do arquivo administrativo", relativa às seguintes casas: Beja e Noronha (1547-1710); Coelhos e Garcês e Hortas (1482-1777); Almeida Portugal (1642-1849); Melo e Castro (1543-1759); Lobo de Saldanha e respectivos costados (1440-1792).

Inclui documentação relativa a morgados e capelas (1539-1857); testamentos e instituição de vínculos (1538-1827); inventários, partilhas e composições (1568-1774); dotes (1566-1750); juros e tenças; foros (1577-1915), respeitante a costados da Casa ou colaterais não determinados, bem como às funções desempenhadas por diferentes membros da Casa:

Manuel Bernardo de Melo e Castro, visconde da Lourinhã, tenente general, governador de armas do Alentejo, capitão general do Grão Pará e Maranhão, capitão general: documentos militares (1754-1778), capitania do Grão Pará e Maranhão (1760-1761), correspondência (1754-1758); Martinho de Melo e Castro, ministro e secretário de Estado da Marinha e Domínios Ultramarinos: documentos vários (1790-1791); diplomata - missões em Haia (1747-1756 1753-1755) e Londres (1756-1761); correspondência diversa (1748-1791);

João de Almeida Melo e Castro, 5º conde das Galveias, diplomata, ministro e secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Guerra, da Marinha e Domínios Ultramarinos, e interinamente dos Estrangeiros e da Guerra, no Rio de Janeiro: missões em Haia (1782-1788), Roma (1788-1790) e Londres (1792-1801); correspondência geral (1781-1801) e recebida de pintores portugueses, bolseiros em Roma (1790-1797) ou recebida pelos seus secretários: Augusto Molloy (1794-1800) e Abade Ceni (1795-1797);

Francisco de Almeida Melo e Castro, 6º conde das Galveias, enfermeiro-mor do Hospital de São José (1801-1814), aposentador-mor da Corte e Reino: (Portugal e Brasil - 1810-1818); deputado da Mesa da Consciência e Ordens (1801-1814); contrato do Tabaco (1813-1815); correspondência (1807-1818); Manuel da Silva Pereira, guarda-mor do consulado da Casa da Índia: missão em Turim (1680) e correspondência (1669, 1671-1684);

Simão Mateus, tenente general e mestre de campo general: correspondência (1665-1674); Martim Lopes Lobo de Saldanha, mestre de campo do terço da guarnição de Estremoz: documentos relativos a assuntos militares (1705-1706);

Martim Lopes Lobo da Silveira, brigadeiro de infantaria, governador e capitão general da capitania de São Paulo (1774-1781): documentos relativos a assuntos militares (1755-1786); António Lobo de Saldanha de Melo de Vasconcelos, filho e ajudante de ordens do anterior em São Paulo (1781-1782); Joana Fernandes de Monserrate de Magalhães: documentação relativa a ascendentes e colaterais (Fernão de Sousa Coutinho, Bernardo de Faria e Fresneda, Bernardo de Fresneda e Melo, Francisco de Morais Barreto, Morais Picanço, Álvaro Martins Barreto).

Inclui ainda "arquivos anexos", que se reportam a Duarte Ribeiro de Macedo, desembargador da Casa da Suplicação, diplomata, economista e escritor: documentação relativa ao Conselho da Fazenda (1665-1677); missão em Paris (1668-1676); missão em Madrid (1676-1680); missão em Turim (1680): correspondência (1644-1680); Jerónimo Ribeiro, desembargador do Paço: correspondência (1626-1627); Catarina Maria Matilde Moniz de Castelo Branco: documentos pessoais e administrativos (1489-1745); Diogo Xavier de Melo Cogominho: documentação relativa a ascendentes e descendentes (1712-1789); Melo Lobo: documentos pessoais e administrativos (1598-1818); Fonseca Lobo: documentos pessoais e administrativos (1630-1779).

Contém, ainda, miscelâneas relativas a diferentes assuntos: governo do cardeal D. Henrique e domínio filipino (1579-1660); Restauração de Portugal (1641-1666); Guerra da Sucessão de Espanha (1702-1715); assuntos militares (1646-1815); assuntos diplomáticos e políticos (1709-1783); assuntos económicos e financeiros (1580-1805); documentos vários relativos a Portugal (1537-1827), Espanha (1543-1812) e Europa (1749-1793); obras de carácter literário e histórico (séculos XVII-XIX), entre outras.
Arrangement
Documentação organizada segundo critérios orgânicos e funcionais.
Language of the material
Contém documentação em francês.
Other finding aid
Guias e Roteiros:

PORTUGAL. Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo. Direcção de Serviços de Arquivística - "Casa Galveias". in Guia Geral dos Fundos da Torre do Tombo: Colecções, Arquivos de Pessoas Singulares, de Famílias, de Empresas, de Associações, de Comissões e de Congressos. Coord. Maria do Carmo Jasmins Dias Farinha [et al.]; elab. Lucília Runa; fot. José António Silva. Lisboa: IAN/TT, 2005. vol. VI. (Instrumentos de Descrição Documental). ISBN 972-8107-69-2. p. 200-206. Acessível no IAN/TT, IDD (L602/6).

Índice:

[ALCOCHETE, Nuno Daupiás de] - Arquivo da Casa dos Condes de Galveias. [Dactilografado]. [1985]. Acessível na Torre do Tombo, Lisboa, Portugal. (L 517).

Guias e roteiros:

AZEVEDO, Pedro de; BAIÃO, António - O Archivo da Torre do Tombo: sua história, corpos que o compõem e organização. 2ª ed. Lisboa: Livros Horizonte, 1989, p. A-15.

PINTO, António Albuquerque - Inventário do Arquivo da Casa Galveias, existente no Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Trabalho de seminário de arquivística, preparado sob orientação do Dr. Nuno Daupiás de Alcochete e apresentado à Universidade Autónoma de Lisboa "Luís de Camões", em 1989.
Related material
Brasil, Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro: documentação relativa a D. João de Almeida de Melo e Castro, 5º conde das Galveias.
Notes
Nota ao campo datas: Predominantemente séculos XVII e XVIII
Creation date
11/12/2006 00:00:00
Last modification
25/10/2012 11:17:17
Record not reviewed.