Casa da Tábola de Setúbal

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/TT/CTS
Title type
Formal
Date range
1620 Date is certain to 1833 Date is certain
Dimension and support
890 u.i. (826 liv., 1 mç., 63 doc.); papel.
Biography or history
D. Afonso II, por Carta de 28 de Outubro de 1186, fez doação à Ordem Militar de Santiago as localidades de Almada, Palmela, Arruda e Alcácer, com os respectivos castelos. Nos primeiros anos do século XIII, foi ainda concedida à mesma Ordem Militar, a localidade e castelo de Sesimbra. A Ordem Militar de Santiago estabeleceu a sua sede ou "cabeça de Ordem" ou "Mesa Mestral" em Palmela, e foi D. Paio Peres Correia, Mestre da Ordem de Santiago, que em Março de 1249 concedeu o foral de Palmela à povoação, já em franco desenvolvimento, de Setúbal. Sendo Setúbal terra foraleira da Ordem de Santiago, o respectivo foral consigna os direitos e os tributos devidos ao Rei e à Ordem de Santiago. Em 27 de Janeiro de 1515, D. Manuel I concedeu um novo foral à vila de Setúbal. Este novo foral, determinava com clareza que , de todos os direitos e tributos que se cobrassem em Setúbal, setenta por cento caberiam à Fazenda Real, e trinta por cento à Ordem Militar de Santiago. Neste mesmo foral encontramos consignados alguns direitos reais tributados nas vilas de Sesimbra e Alcácer.

A 22 de Novembro de 1582, foi dado o primeiro Regimento sobre o modo da arrecadação dos direitos reais, colhidos na Tábola Real da vila de Setúbal, na vila de Sesimbra e em Alcácer. Este regimento, também designado por "Primeiro Regimento da Tábola", pretendia esclarecer situações de dúvida quanto à natureza ou tipo de direitos que pertenciam à Fazenda Real, estabelecendo, também, quais os procedimentos a tomar pelos respectivos oficiais, e a organização do registo contabilístico. Ainda, neste aspecto, refere o papel do escrivão da ementa e do feitor que andavam no barco do despacho, circundado os cercos, para que logo aí fosse feito o despacho da sardinha, o qual, posteriormente seria lançado no livro da Tábola. Quanto à arrecadação, refira-se a existência de um feitor, bem como de um dos pescadores mais abonados, para, entre os cercos, receberem os direitos do pescado, e posteriormente, os entregarem na Tábola. Neste primeiro regimento, existe um título relativo a Sesimbra, mencionando que em qualquer situação tocante aos direitos do pescado se observaria o que estava regulamentado para Setúbal, "por ser tudo da mesma qualidade e por serem vendas que se arrecadavam juntamente com as de Setúbal". Outro título do mesmo regimento refere o sal de Setúbal e Alcácer, ordenado um maior controlo no registo e cobrança dos respectivos direitos.

A 7 de Maio de 1583, foi dado um novo Regimento sobre a arrecadação dos direitos reais das vendas do pescado e sal nas vilas de Setúbal e Sesimbra. Este viria a alterar alguns capítulos do anterior regimento, como o número de pescadores que recebia os direitos reais dos cercos, que passou a dois, e o prazo de entrega do dinheiro, que passou de cinco para oito dias. Outra alteração introduzida foi autorização concedida "aos de fora" para poderem comprar peixe, embora sujeitos ao despacho e tributos devidos à Tábola. Este regimento introduziu, também, alterações sobre o sistema e práticas de pesca, em Setúbal e Sesimbra, e o do registo, controlo e recebimento dos direitos do sal.

Em 15 de Dezembro de 1617, um novo regimento criava o ofício de juiz da Tábola de Setúbal o qual presidiria, simultaneamente, ao despacho da Mesa Real (mesa dos direitos reais) e a da Mesa Mestral da Ordem de Santiago, assim como ao despacho das almadravas da vila de Sesimbra, até então controladas pelo Provedor da Comarca da Vila de Setúbal. a havia, e nas Almadravas da Vila de Sesimbra, e que até aqui tiveram o Provedor da Comarca da vila de Setúbal. O juiz da Tábola passaria a ter jurisdição e conhecimento sobre todas as causas e dúvidas relativas aos direitos a pagar na Casa da Tábola, conforme ao foral da dita vila, assim na Mesa Real como na da Ordem, condenando ou absolvendo, conforme o referido foral e artigos das sisas e mais regimentos e provisões, dando apelação e agravo para o Conselho da Fazenda na forma das Ordenações. O mesmo juiz detinha a jurisdição privativa nas causas dos cercos. Ainda, segundo este regimento de 15 de Dezembro de 1617, como até então houvesse na Casa da Tábola de Setúbal duas Mesas separadas, uma em que se cobrava os direitos Reais, e outra os direitos da Ordem, com seus oficiais, futuramente passaria a haver uma só Mesa na dita Casa, assistida por todos os funcionários, assim como pelo juiz, mas este em um lugar separado no meio da dita Mesa, ficando os oficiais da Mesa Real de um lado e do outro os da Mesa da Ordem, determinando e esclarecendo o que se devia fazer quanto à cobrança dos direitos.

O rendimento da Tábola de Setúbal (que compreendia as rendas da Tábola Real ou dízima do pescado, da imposição do sal, das almadravas de Sesimbra, da sisa do pescado de Sesimbra, e o novo imposto sobre o pescado) era arrematado no Conselho da Fazenda, em dois actos, um para as rendas reais e outro para as rendas da Mesa da Ordem. Cada contrato tinha a duração de três anos.

A Tábola de Setúbal, no decurso do século XVIII, foi adquirindo uma importância económica considerável, o que poderá explicar a criação, por volta de 1799, de um provedor, como responsável máximo daquela instituição fiscal. Este novo magistrado tinha completa autonomia perante o provedor de Setúbal. Com as transformações internas, no início do século XIX, o provedor passou a ser designado por Procurador Fiscal da Fazenda Nacional e Real da Vila de Setúbal, assim na parte respectiva à Repartição da Superintendência do sal e lastros da Vila de Setúbal, como em todas as Estações da Fazenda da mesma vila.

Em 1799 o nome formal da instituição era: "Mesa Real e Mestral da Ordem de Santiago, das Almadravas de Sesimbra e das Imposições do Sal na Vila de Alcácer".

Pelo Decreto n.º 24, de 6 de Novembro de 1830, determinava-se a extinção "de todas as Mesas, e Estações Fiscais, especialmente destinadas ao recebimento dos Direitos do Pescado, com todos os Ofícios e Empregados a elas pertencentes". Contudo, este diploma não teve uma aplicação imediata, repercutindo-se objectivamente mediante o conjunto de diplomas que, a partir de 31 de Julho de 1833, iriam estabelecer o sistema liberal da administração da Fazenda.
Custodial history
A Repartição da Fazenda do Distrito de Lisboa remeteu, em 9 de Maio de 1883, 18 livros dos quais 3 estavam descritos como sendo da Tábola de Sesimbra e 15 não tinham qualquer descrição. A restante documentação deu entrada no âmbito das grandes remessas de documentação contabilística e económica enviadas pelo Tribunal de Contas para a Torre do Tombo, entre 1884 e 1894.

Na 2ª metade do século XX, parte desta documentação foi descrita como Fazenda da Ordem de Santiago, outra, respectivamente,como Almoxarifado de Sesimbra e de Setúbal. Posteriormente, e já no presente século, voltou a ser descrito, no âmbito do projecto de elaboração do novo Guia Geral de Fundos, como fundo autónomo.
Scope and content
Documentação referente à arrecadação dos direitos reais e da Ordem de Santiago sobre as vendas do pescado e sal das vilas de Setúbal, Sesimbra e Alcácer do Sal, recolhidos na Tábola de Setúbal, integrando, por conseguinte e, maioritariamente, livros de registo de receita relativos aos vários produtos (sal, pescado) e diversos direitos (dizímos, rendasarrecadação dos 3% para as fragatas reais, sisas, direitos relativos a embarcações e mercadores, rendimento da Chancelaria). Além destes, abarca ainda livros de natureza contabilística, registo de actividades referentes ao funcionamento (contas correntes) e à despesa (folhas de ordenados).
Arrangement
Funcional
Access restrictions
Comunicável sem restrições legais.
Conditions governing use
Constantes no regulamento interno que prevê algumas restrições tendo em conta o tipo dos documentos, o seu estado de conservação ou o fim a que se destina a reprodução de documentos, analisado, caso a caso, pelo Núcleo de Transferência de Suportes, de acordo com as normas que regulam os direitos de propriedade do IAN/TT e a legislação sobre direitos de autor e direitos conexos.
Physical characteristics and technical requirements
Razoável
Other finding aid
Guias e Roteiros:

PORTUGAL. Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo. Direcção de Serviços de Arquivística - "Casa da Tábola de Setúbal". in Guia Geral dos Fundos da Torre do Tombo: Instituições do Antigo Regime, Administração Periférica. Domínios. Casa Real e Anexas (1). Coord. Maria do Carmo Jasmins Dias Farinha; António Frazão; elab.Joaquim Abílio Ferreira; António Frazão; fot. José António Silva. Lisboa: IAN/TT, 2002. vol. 4. (Instrumentos de Descrição Documental).ISBN 972-8107-68-4..p. 151-156. Acessível no IAN/TT, IDD (L.602).

SERRÃO, Joel; LEAL, Maria José da Silva; PEREIRA, Miriam Halpern - "Casa da Tábola de Peniche e Setúbal". in Roteiro de Fontes da História Portuguesa Contemporânea: Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Col. Ana Maria Cardoso de Matos; Maria de Lurdes Henriques. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1984. vol. 1. p. 153. Acessível no IAN/TT, IDD (L.534).

Relações:

LISBOA. Repartição da Fazenda - "Relação dos livros, cadernos pertencentes à extincta Casa da Tabola (...)". [Manuscrito]. 1883. Acessível na Torre do Tombo, Lisboa, Portugal. (C.10). Desta relação só 3 livros é que pertencem à Casa da Tábola de Setúbal.

Inventários:

ACABADO, Maria Teresa G. Barbosa - "Núcleos extraídos do Conselho da Fazenda e Real Erário". [Dactilografado]. [197-?]. Acessível na Torre do Tombo, Lisboa, Portugal. (L.512). A documentação referente à Casa da Tábola de Setúbal está descrita na secção nº 22 da Ordem de Santiago, p. 65-79.

MACHADO, Joaquim Abílio Ferreira - Casa da Tábola de Setúbal: inventário. [Impresso]. 2003. Acessível na Torre do Tombo, Lisboa, Portugal. (L.666).
Alternative form available
Portugal, Torre do Tombo, Conselho da Fazenda (PT-TT-CFZ) - cópia autêntica do Regimento.

Portugal, Torre do Tombo, Leis e Ordenações (PT-TT-LO) - cópia paleográfica (traslados) dos Regimentos e sentenças da Casa da Tábola e de algumas provisões do Conselho da Fazenda.
Related material
Relação complementar: Portugal, Torre do Tombo, Conselho da Fazenda (PT-TT-CFZ/VRRA); Portugal, Torre do Tombo, Contos de Lisboa / Contas do Reino e Casa (PT-TT-CRC); Portugal, Torre do Tombo, Erário Régio - Contadorias Gerais da Corte e Província da Estremadura das Províncias do Reino, ilhas dos Açores e Madeira, contas da Alfândega das Sete Casas (PT-TT-ER/A-B); Portugal, Torre do Tombo, Erário Régio - Contadorias Gerais da Corte e Província da Estremadura das Províncias do Reino, ilhas dos Açores e Madeira, contas da Ordem de Santiago (PT-TT-ER/1/ ); Portugal, Torre do Tombo, Erário Régio - Contadorias Gerais da Corte e Província da Estremadura das Províncias do Reino, ilhas dos Açores e Madeira, contas da Portagem do Reino do Algarve (PT-TT-ER/1/14), (PT-TT-ER/1/19/4), (PT-TT-ER/1/25), (PT-TT-ER/1/46), (PT-TT-ER/1/49) e (PT-TT-ER/1/58).

Relação paralela: Portugal, Torre do Tombo, Provedoria de Leiria - Casa da Tábola de Peniche (PT-TT-PLRA/A).
Publication notes
PORTUGAL. Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo - Cópia autêntica dos regimentos da Tábola de Setúbal. [Manuscrita]. 1781. Acessível no Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo, Lisboa, Portugal. Conselho da Fazenda, liv. 115.
PORTUGAL.Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo - Foral de Setúbal, regimentos e sentenças da Casa da Távola de Setúbal. [Manuscritos]. 1781. Acessível no Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo, Lisboa, Portugal. Núcleo Antigo, liv. 109.
Notes
Nota ao campo da Localização de Cópias:

A cópia autêntica do Regimento foi ordenada ao provedor da Tábola de Setúbal pelo Conselho da Fazenda. Foi concertada e selada, em 15 de Dezembro de 1781, pelo Dr. João Pereira Ramos de Azevedo Coutinho, guarda-mor da Torre do Tombo.
Creation date
08/02/2008 00:00:00
Last modification
01/08/2013 15:05:32
Record not reviewed.