"Agenda comercial para 1910"

Description level
Instalation unit Instalation unit
Reference code
PT/TT/TMB/0022
Date range
1910-01-01 Date is certain to 1910-12-31 Date is certain
Dimension and support
1 liv. (365 p.); papel
Custodial history
Apresenta 9 documentos soltos que foram cotados.
Scope and content
No verso da pasta superior da encadernação e na primeira guarda, registo de notícias e um recorte colado com o poema "Portugal" de João de Deus, sobre o qual Tomás de Mello Breyner comenta "Tem oportunidade em 1910".

Escrito em Lisboa (Junqueira, Paço das Necessidades, Palácio Anadia, rua de São João dos Bemcasados), no Paço Real de Mafra, a caminho de Paris com a Sofia, em Paris (Hotel de Russie), em Salins (Hotel Biarritz), em Lourdes (Hotel Royal), em Cascais (Casa Pinto Basto, rua do Visconde da Luz, 67), em Mafra (Quinta das Flores), em Castelo Branco (Casa de Alexandre Garrett).

Menciona a agenda diária, as idas aos hospitais e ao consultório. Inicia a procura de casa para novo consultório, optando pela sobreloja da casa dos herdeiros de Alfredo Keil, na Avenida da Liberdade, n.º 77, onde deu a primeira consulta a 14 de março (esteve no antigo consultório, na Rua do Corpo Santo, n.º 13, 2.º andar, durante 39 anos e meio, notas de 8 a 14 de março). Tomás de Mello Breyner foi eleito membro da Academia de Medicina de Madrid, conforme recorte colado do "Mundo" de 20 de abril, refere o caso de peste bubónica na enfermaria de Santa Maria Madalena do hospital de São José (21 de novembro).

Alude ao estado do tempo, a episódios da sua saúde, a momentos passados com a família e com as pessoas reais, à conferência médica sobre o estado de saúde da rainha D. Maria Pia, as idas a concertos e ao teatro (menciona o concerto no Salão da Ilustração Portuguesa, organizado por Rey Colaço (25 de abril)). Menciona a procura de casa para habitar e a escolha do Palácio Anadia, na rua de São João dos Bemcasados "[...] óptima, linda com jardim e tudo. Que bom!" (21 de maio), o 35.º aniversário de Sofia, a fotografia do escritório tirada pelo fotógrafo Cardoso da rua da Palma, a viagem com Sofia (18 de junho a 8 de agosto, junta o recorte colado do “Correio da Manhã” de 10 de agosto), o seu 44.º aniversário, as vezes em que, na igreja do Paço Real de Mafra, à noite, o Rei toca órgão e Tomás de Mello Breyner rabeca (10 de setembro).

Menciona falecimentos de diversas personalidades, a propósito dos quais pode fazer comentários, dar detalhes das causas de morte, e colar ou inserir recortes de imprensa, nomeadamente - do actor João Rosa, do Prof. Dr. Alfredo da Costa (2 e 3 de abril), do artista cómico Alfredo de Carvalho, do visconde da Lançada, almirante reformado e veador da rainha D. Maria Pia, no Paço da Ajuda, do rei Eduardo VII, de Zófimo Consiglieri Pedroso (4 de setembro), do duque de Palmela, e de muitos outros.

Refere visitas, passeios – a chegada da Senhora da Nazaré vista do forte da Milhariça (19 de setembro), e acontecimentos – o jantar na Legação inglesa, a epidemia de febre Tifóide na Madeira (27 de março), a procissão da Saúde "foi a última vez que a procissão veio à Rua” (21 de abril), a marcha na Baixa em memória de Alexandre Herculano (26 de abril), o primeiro centenário do nascimento de Alexandre Herculano (28 de abril), o cometa Halley, o novo presidente do Conselho, conselheiro Teixeira de Sousa, a procissão do Santíssimo em Mafra (11 de setembro), o assassinato do Prof. Miguel Bombarda, a revolução que rebentou em Lisboa “com carácter republicano”, a vinda do Rei para Mafra proveniente do Palácio das Necessidades, que estava a ser bombardeado (4 de outubro), o decreto trazido pela Rainha que “vinha com cara feroz” para ser assinado por D. Manuel II, “com o auxílio do vento sul ouvem-se distintamente muitos tiros de artilharia […] ao meio dia o telegrafista José Tomás comunica-me […] que está proclamada a Republica em Lisboa”, o iate “Amélia” que está na Ericeira com o Príncipe Afonso, “partem todos os três em autos para a Ericeira […]” ( 5 de Outubro), as memórias de Mafra e o Fox-Terrier da Rainha “o Bull”, que tinha ficado esquecido. (7 a 10 de outubro, 28 de dezembro), envelope endereçado para a Quinta das Flores e carta de Jorge com descrição de acontecimentos em Lisboa, datada do consultório, sábado, 8 de outubro de 1910 (doc. soltos n.º 5 (1) e 5 (2)), a partida do Rei e da rainha D. Amélia de Gibraltar para Inglaterra e da rainha D. Maria Pia e do Infante D. Afonso para Itália (16 de outubro), ou para Inglaterra (17 de outubro), a adesão dos monárquicos à causa republicana (18 de outubro), o registo dos acontecimentos de 4 para 5 de outubro (Notas do mês de outubro), a nota sobre D. Maria Severiana da Fonseca Barros (7 de novembro), o “grande cortejo cívico” onde se tocou “a Portuguesa” na Avenida da Liberdade, “a festa da bandeira que ficou sendo verde e vermelha. Antes assim, para em nada se parecer com a minha bandeira azul e branca” (1 de dezembro), entre outros. Refere o “Correio da Manhã” como "o novo jornal pertencente ao Partido Regenerador Liberal" de que era director Álvaro Pinheiro Chagas (2 de maio), manifesta a sua opinião sobre o José Luciano (Biarritz, 7 de julho), sobre os monárquicos e sobre os republicanos (Notas do mês de julho) sobre a política portuguesa (3 de setembro), sobre o duque de Wellington (Notas do mês de setembro), ainda a conversa com o Dr. António José d’Almeida, ministro do Interior (24 de outubro).

Inclui notas com datas posteriores, nomeadamente sobre a mudança do nome da rua de São João dos Bemcasados para rua Silva Carvalho, mudando o n.º 179 para 347 (7 de setembro), sobre a nomeação de Tomás de Mello Breyner como Intendente das Reais Propriedades de Mafra, que não chegou a exercer “porque veio a república” (13 de setembro. 1925), e sobre o novo Enfermeiro–Mor Augusto Vasconcelos Leite (22 de outubro. 1931).

Encontram-se ainda inseridos os seguintes documentos soltos: um recorte “The engagement of the one of the Queen’s Maids-of-Honour, the Hon. Sylvia Edwardes and count Gleichen, who are to marry” (doc. solto n.º 1), um convite de casamento datado de Paris, 2 de junho (doc. solto n.º 2), um recorte solto “dado por El Rei” “From The Times of 1810” (12 de setembro, doc. solto n.º 3), nota de Júlio Mardel recebida em Mafra por Tomás de Mello Breyner dentro de uma carta chegada a 4 de Outubro (doc. solto n.º 4), apontamentos (doc. soltos n.º 6 e 7), folha “Para a creche Vítor Reis” (doc. solto n.º 8), recorte do Daily Mail intitulado "Banished Nuns. English Ladies Trials in Revolution." (18 de outubro, doc. solto n.º 9).
Access restrictions
A consulta da documentação obedece ao respetivo regime de comunicabilidade do património arquivístico disposto no artigo nº 17, do Decreto-Lei n.º 16, de 23 de Janeiro de 1993.

1 - É garantida a comunicação da documentação conservada em arquivos públicos, salvas as limitações decorrentes dos imperativos da conservação das espécies e sem prejuízo das restrições impostas pela lei.

2 - Não são comunicáveis os documentos que contenham dados pessoais de carácter judicial, policial ou clínico, bem como os que contenham dados pessoais que não sejam públicos, ou de qualquer índole que possa afectar a segurança das pessoas, a sua honra ou a intimidade da sua vida privada e familiar e a sua própria imagem, salvo se os dados pessoais puderem ser expurgados do documento que os contém, sem perigo de fácil identificação, se houver consentimento unânime dos titulares dos interesses legítimos a salvaguardar ou desde que decorridos 50 anos sobre a data da morte da pessoa a que respeitam os documentos ou, não sendo esta data conhecida, decorridos 75 anos sobre a data dos documentos.

3 - Os dados sensíveis respeitantes a pessoas colectivas, como tal definidos por lei, gozam de protecção prevista no número anterior, sendo comunicáveis decorridos 50 anos sobre a data da extinção da pessoa colectiva, caso a lei não determine prazo mais curto.

4 - Compete aos proprietários dos arquivos particulares proporem as regras e modalidades de comunicação da documentação, as quais serão objecto de apreciação e de proposta de homologação ao membro do Governo que superintende na política arquivística por parte do órgão de gestão.

A cláusula 12.ª dos Protocolos de Depósito estabelece:

1. A Primeira Parte Signatária não pode ceder a terceiros, a qualquer título, a documentação depositada sem que para isso seja expressamente autorizado pela Segunda Parte Signatária [os Depositantes].

2. Quando a cedência a terceiros se destine exclusivamente a exposições ou outros eventos de manifesto interesse cultural, a cedência presume-se autorizada, desde que a Segunda Parte Signatária a tal não se oponha nos vinte dias seguintes ao recebimento do pedido de cedência.

3. A Segunda Parte Signatária autoriza a Primeira Parte Signatária a efectuar reproduções do Diário, solicitadas no âmbito da consulta pública do mesmo, com respeito pelas condições técnicas gerais de salvaguarda e preservação do Diário.
Physical location
Professor Tomás de Mello Breyner, liv. 22
Language of the material
Português, francês, inglês.
Physical characteristics and technical requirements
Lombada quase descolada. Primeira guarda e página de título estão soltas. As páginas 160-161 têm rotura de suporte por acidez de tinta. O doc. soltos n.º 5 (1) está rasgado.
Other finding aid
ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO - [Base de dados de descrição arquivística]. [Em linha]. Lisboa: ANTT, 2000- . Disponível no Sítio Web e na Sala de Referência da Torre do Tombo. Em actualização permanente.
Publication notes
MELLO BREYNER, Thomaz de - Diário de um Monárquico: 1908 - 1910. Transcrição, selecção, anotações e nota prévia de Gustavo de Mello Breyner Andresen. 2.ª ed. Porto: Fundação Eng. António de Almeida; 1994. ISBN:972-8386-57-5. Exemplar oferecido em 16 de julho de 2015 à Torre do Tombo: PP 128/15.
Notes
A "Agenda comercial para 1910", aberta no registo do dia 4 de outubro “Os meus pequenos é que serviram à mesa a rainha e o Rei”, e do dia 5 de outubro “Noite horrível d’ansiedade! Revolução em Lisboa. Proclamação de República.”, foi exibida na mostra documental "UM LENTE ENTRE OS CONDES… UM CONDE ENTRE 0S LENTES THOMAZ DE MELLO BREYNER (1866-1933), inaugurada no dia 28 de setembro e patente até 14 de dezembro de 2016, no edifício da Torre do Tombo, Alameda da Universidade, Lisboa.
Creation date
6/29/2016 5:47:21 PM
Last modification
8/1/2019 2:38:42 PM