Mosteiro de Santo André de Ancede

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/TT/MSAA
Title type
Atribuído
Descriptive dates
1112-1369; 1560; 1617; [18--]
Dimension and support
1 mç.; perg., papel
Biography or history
O Mosteiro de Santo André de Ancede era masculino, situava-se no concelho de Baião, pertencia à antiga comarca de Trás-os-Montes, e estava sujeito à jurisdição do bispo do Porto. Era de Cónegos Regulares de Santo Agostinho até ser unido em 1559, ao Mosteiro de São Domingos de Lisboa, da Ordem dos Pregadores.

Foi fundado antes de 1120. Nesta data é provável que nele residissem cónegos regulares.

Em 1129, a igreja de São Bartolomeu de Campelo foi doada ao Mosteiro pelo infante D. Afonso.

Em 1141, em 24 de Abril, recebeu carta de couto do rei D. Afonso, sendo prior D. Adaúfo.

No "Catálogo de todas as igrejas, comendas e mosteiros que havia nos reinos de Portugal e Algarves, pelos anos de 1320 e 1321", o Mosteiro de Ancede foi taxado em 550 libras, soma importante relativamente aos valores das restantes igrejas da Terra de Baião que, na sua maioria, não ultrapassavam as 100 libras.

Em 1364, o Mosteiro era habitado por dez Cónegos Regulares de Santo Agostinho.

Em 1404, a igreja de São Miguel de Oliveira do Douro, no bispado de Lamego, foi doada ao Mosteiro pelo bispo de Lamego.

Em 1433 (?), a 3 de Dezembro, e em 1442, no Porto, a 28 de Julho, foi-lhe dada a confirmação geral das graças, privilégios e liberdades. Em 1496, em Torres Vedras, a 4 de Setembro, D. Manuel confirmou-lhe todas as honras, privilégios, e liberdades, graças, e mercês de que gozara até ao rei D. João II.

Em 1444, em Lisboa, a 18 de Abril, por carta de D. Afonso V, e autoridade do infante D. Pedro, regente, concedida a pedido do duque de Bragança, o Mosteiro recebeu licença para comprar bens de raiz até ao valor de 100 coroas.

Em 1465, a igreja de Santa Maria de Gobe e de São Bartolomeu de Campelo foram doadas por Luís Álvares de Sousa, vedor da Fazenda na comarca de Entre-Douro-e-Minho, senhor de Baião e descendente de doadores sepultados no Mosteiro; a igreja foi anexada por D. Luís, bispo do Porto, e, a 20 de Dezembro, no Porto, a doação foi confirmada por D. Afonso V.

Em 1559, por bula do papa Pio IV, dada em 6 de Janeiro, a instância da rainha D. Catarina, foi unido "in perpetuum" com seus direitos, rendas e igrejas anexas, ao Mosteiro de São Domingos de Lisboa, da Ordem dos Pregadores.

Em 1560, Frei Estêvão Leitão, professo da Ordem e procurador do padre prior do Mosteiro de São Domingos de Lisboa, sentado na cadeira da sala do Capítulo, reservada aos priores e comendatários, tomou posse do Mosteiro de Ancede, recebendo a obediência do seu prior castreiro e dos quatro cónegos nele residentes, ajoelhados diante dele e de cabeça descoberta.

No século XVII, o Convento de São Domingos de Lisboa cedeu a apresentação da igreja de São Miguel de Oliveira do Douro aos bispos de Lamego.

Em 1834, no âmbito da "Reforma geral eclesiástica" empreendida pelo Ministro e Secretário de Estado, Joaquim António de Aguiar, executada pela Comissão da Reforma Geral do Clero (1833-1837), pelo Decreto de 30 de Maio, foram extintos todos os conventos, mosteiros, colégios, hospícios e casas de religiosos de todas as ordens religiosas, ficando as de religiosas, sujeitas aos respectivos bispos, até à morte da última freira, data do encerramento definitivo.

Os bens foram incorporados nos Próprios da Fazenda Nacional.

De 18 de Abril a 9 de Outubro, José de Azevedo Pinto da Fonseca, comissário autorizado pela Prefeitura de Penafiel, procedeu aos autos de abandono e de inventário, e de depósito dos bens do extinto mosteiro, onde residiam sete padres da Ordem dos Pregadores.

Localização / Freguesia: Ancede (Baião, Porto)
Custodial history
Os documentos do antigo Mosteiro de Ancede, de Cónegos Regulares de Santo Agostinho, foram encadernados em códices factícios pelo Mosteiro de São Domingos de Lisboa, juntamente com os restantes documentos que este foi produzindo no âmbito da administração dos respectivos bens.

Em 1834, o cartório compunha-se de documentos dos casais organizados por freguesias, prazos e vedorias de prazos, apegações, cinco volumes do mosteiro antigo de Cónegos Regulares de Santo Agostinho, documentos antigos de receita e despesa, incluindo contas de missas e legados, um traslado antigo do tombo do Mosteiro de Ancede, vinte e um maços e treze documentos de títulos antigos em pergaminho, três livros em letra gótica, livros de forais, um rol de foros atrasados de Oliveira, um maço de documentos da igreja de Miomães, um livro dos juros do Senhor do Bom Despacho, um maço com vinte e oito prazos de casais, um caderno de domínios do Convento, entre outros documentos.

É ainda desconhecida a história custodial desta documentação.

Parte da documentação esteve integrada na designada Colecção Especial. Entre os anos de 1938 e 1990, sempre que possível e considerando a sua proveniência, a documentação foi reintegrada nos fundos, numa tentativa de reconstituição dos cartórios de origem. Estes documentos foram ordenados cronologicamente, constituídos maços com cerca de 40 documentos, aos quais foi dada uma numeração sequencial.

Em 1990, sob orientação da Dr.ª Maria José Mexia Bigote Chorão, alguns documentos deste fundo foram nele integrados, depois de ter sido identificada a sua proveniência, e retirados da colecção Documentação de conventos por identificar, cx. 13, conforme apontamento existente na caixa.

Os documentos de Santo André de Ancede encontram-se em grande parte no fundo do Mosteiro de São Domingos de Lisboa.

No final da década de 1990, foi abandonada a arrumação geográfica por nome das localidades onde se situavam os conventos ou mosteiros, para adoptar a agregação dos fundos por ordens religiosas.
Scope and content
Contém cartas de venda, de emprazamento, de doação de herdades, de doação ao Mosteiro de Ancede das igrejas de Santa Leocádia, de São Bartolomeu de Baião, de São Miguel, de Santa Maria Mãe de Deus de Gobe, de São Cipriano do termo de Aregos, e território de Lamego, da igreja de Santa Maria da Ermida de Riba Douro aos Mosteiros de Ancede e de [São João Baptista] de Arnóia, carta de couto, carta de liberdade da igreja de Santo André de Ancede, o registo de votos de profissão ao Mosteiro e igreja de Santo André e à regra de Cónegos Regulares de Santo Agostinho, a certidão de uma sentença da relação do arcebispado de Braga, a certidão do instrumento de posse do Mosteiro de Ancede.

Contém também folhas de receita e despesa do Mosteiro de Ancede, cujo rendimento era aplicado para o sustento de 86 religiosos e outras despesas do Convento de São Domingos de Lisboa.

Fundos Eclesiásticos; Cónegos Regulares de Santo Agostinho; Masculino; Ordem dos Pregadores; Masculino
Arrangement
Ordenação numérica das unidades de instalação (maços).
Access restrictions
Contém documentos sujeitos a autorização para consulta e a horário restrito.
Language of the material
Latim e português. Letra visigótica de transição para a carolina.
Other finding aid
ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO - [Base de dados de descrição arquivística]. [Em linha]. Lisboa: ANTT, 2000- . Disponível no Sítio Web e na Sala de Referência da Torre do Tombo. Em actualização permanente.

Inventário das Corporações Religiosas, desintegrado da antiga Colecção Especial (inclui a tabela de equivalência e a "Nota explicativa" da restituição dos documentos aos cartórios de origem, feita pela conservadora Maria Teresa Geraldes Barbosa Acabado), em 24 de Julho de 1978 (L 208), p. 8, nota 17. Descreve 21 documentos.
Related material
Portugal, Arquivo Distrital do Porto, Convento de Santo André de Ancede - Baião.

Portugal, Torre do Tombo, Ministério das Finanças, caixa 2195, inv. n.º 25.

Paralelas:

Portugal, Torre do Tombo, Casa da Suplicação, Juízo dos Feitos da Coroa, mç. 15, n.º 4. Denúncia relativa à apresentação da Igreja de São Miguel de Oliveira do Douro, bispado de Lamego.
Publication notes
"Ordens religiosas em Portugal: das origens a Trento: guia histórico". Dir. Bernardo de Vasconcelos e Sousa. Lisboa: Livros Horizonte, 2005. ISBN 972-24-1433-X. p. 189.
SANTOS, Maria José Azevedo - "Da visigótica à carolina: a escrita em Portugal de 882 a 1172: aspectos técnicos e culturais". Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, 1994. p. 129. ISBN 972-31-0633-7
Creation date
4/7/2011 12:00:00 AM
Last modification
1/7/2020 9:45:01 AM