Mosteiro de Santa Joana de Lisboa

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/TT/MSJL
Title type
Atribuído
Date range
1318 Date is certain to 1890 Date is certain
Dimension and support
91 liv., 37 mç.; perg., papel
Biography or history
O Mosteiro de Santa Joana de Lisboa era feminino, mas de origem masculino, e pertencia à Ordem dos Pregadores (Dominicanos).

Em 1580, D. Álvaro de Castro, ao partir para Alcácer Quibir, vinculou a morgadio a sua quinta que ficava ao Chafariz do Andaluz, deixando as suas terras (no caso de não ter descendência) ao convento de São Domingos de Benfica, para ali se erguer um convento.

Em 1699, foi fundado um mosteiro, mas de frades com a invocação da Princesa Santa Joana.

Em 1755, o terramoto não afectou o edifício do mosteiro, e a ele recolheram as freiras dos mosteiros da Anunciada e da Rosa de Lisboa. Nesta altura, deu-se a saída dos frades, e o mosteiro passou a feminino.

Em 1834, no âmbito da "Reforma geral eclesiástica" empreendida pelo Ministro e Secretário de Estado, Joaquim António de Aguiar, executada pela Comissão da Reforma Geral do Clero (1833-1837), pelo Decreto de 30 de Maio, foram extintos todos os conventos, mosteiros, colégios, hospícios e casas de religiosos de todas as ordens religiosas, ficando as de religiosas, sujeitas aos respectivos bispos, até à morte da última freira, data do encerramento definitivo.

Os bens foram incorporados nos Próprios da Fazenda Nacional.

Em 1884, o mosteiro foi encerrado por morte da última freira.

Localização / Freguesia: Coração de Jesus (Lisboa, Lisboa)
Custodial history
Em 1863, em 13 de Novembro, em virtude do Decreto de 2 de Outubro de 1862, foram transferidos para o Arquivo da Torre do Tombo os documentos do Convento de Santa Joana, entregues pela prioresa soror Maria da Glória, e recebidos por Roberto Augusto da Costa Campos e José Gomes Góis, como consta da relação respectiva por eles assinada.

Em 1894, em 8 de Março, em cumprimento do despacho da Direcção-Geral dos Próprios Nacionais de 28 de Janeiro, os cartórios dos extintos conventos de Santo Alberto, de Nossa Senhora da Luz de Arroios, de Santa Marta de Jesus, de Santa Joana com os conventos reunidos da Anunciada e da Rosa, que se encontravam depositados no edifício do Convento de Santa Joana foram enviados, separadamente, acondicionados em caixas fechadas e em caixotes, identificados com rótulos, para a 2.ª repartição daquela Direcção-Geral; o transporte fez-se por carroças, não sendo a sua entrega acompanhada de documento comprovativo.

Em 1938, a 5 de Maio, a documentação que se encontrava na secção de Finanças de Loures, foi enviada pela Inspecção das Bibliotecas e Arquivos para a Torre do Tombo.

No final da década de 1990, foi abandonada a arrumação geográfica por nome das localidades onde se situavam os conventos ou mosteiros, para adoptar a agregação dos fundos por ordens religiosas.

Parte da documentação do Mosteiro de Santa Joana de Lisboa encontrava-se no Arquivo Histórico do Ministério das Finanças ( instalado no edifício do extinto Convento de Santa Joana, sito na Rua de Santa Marta, n.º 61-E, Lisboa), no conjunto designado por 'Cartórios dos conventos'. Com a extinção do Arquivo Histórico do Ministério das Finanças, pelo Decreto-Lei n.º 106-G/92, de 1 de Junho, todo o seu acervo foi integrado na Torre do Tombo. Em 2008, procedeu-se à descrição da documentação, mas a documentação manteve as cotas do Arquivo Histórico do Ministério das Finanças, tendo sido identificados 91 livros, 105 pastas e 2 maços, com as datas extremas entre 1318 e 1889.

Em 2018, integrado no projecto de tratamento arquivístico dos fundos dos mosteiros da Ordem dos Pregadores, toda a documentação foi reunida, e os livros e documentos em maços do Arquivo Histórico do Ministério das Finanças, no conjunto genericamente designado por "Cartórios do Conventos Extintos", que apresentavam uma cota pouco facilitadora do acesso (números salteados, números repetidos com A e B etc., e integrados num só fundo com cotas numéricas sequenciais para as suas unidades de descrição. Todas as cotas antigas estão registadas para que também seja possível recuperar os documentos através delas.
Scope and content
Contém cartas de venda, de arrematação, de compra, de quitação, de aforamento, de doação, de emprazamento, de escambo, de partilha, bulas, dotes, testamentos, alvarás, licenças, sentenças, fianças, escrituras, arrendamentos, certidões de posse e de sisa e trespassação.

São mencionados bens situados na Abrunheira, Aveiras, Azóia, Algés, Aldeia Galega, Casal de Almogrim, Barcarena, Beja, Bucelas, Carriche, Cascais, Caparica, Cheleiros, Coruche, Ferreira, Fonte dos Cavaleiros, Garceta, Lavradio, Mouraria, rua das Mudas, Pedras Negras, Poço da Fortes, Portas do Mar, Quinta de Vale de Deus, em Lisboa (rua de São José, Costa do Castelo, Fangas da Farinha, Porta de São Vicente, rua Nova dos Mercadores, rua das Farinheiras, Cabeça de Alperche), Casal de Olivo, Casal do Pinheiro (Loures), Aldeia de Gonçalvinhos (Mafra), Ribeira da Madalena termo de Aldeia Galega da Merceana, Aldeia da Mata termo de Alenquer, Terra dos Covões termo da Merceana, Monte do Peso (Benavente), Casal de Oliveiras termo de Lisboa, Casal da Portela, Pragal termo de Almada, Casal de Queijas, Capela da Barcarena, (Queijas), Casal da Sapataria, Vale do Rio ou Pimenteira termo de Santarém, Casal da Terrugem (Paço d' Arcos), Bainheira (Tojal), Casal da Torre dos Trotos, Casal de Vale da Pedra, Casal da Tojeira termo de Almada, fazendas no Zambujal, entre outros.

A documentação refere o Mosteiro da Conceição de Beja, o Mosteiro da Rosa ou Mosteiro de Nossa Senhora do Rosário, o Mosteiro da Anunciada, o Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça, a igreja de São Lourenço, o Hospital de Todos-os-Santos, o Convento de Santa Mónica de Goa, o Juro Real dos Judeus, a Casa da Índia, e a Alfândega de Lisboa.

A documentação refere ainda os papas Leão X, Pio IV, Gregório XIII, Xisto V, Clemente VIII, os Religiosos de Santo Agostinho, o cónego Gonçalo de Andrade, Mem de Brito, Gonçalo de Ataíde, João Vaz, Fernão Rodrigues Barbato, Isabel da Silva, Pedro Tovar, Dr. João de Faria, Miguel Anes, D. Isabel, Rui da Silva, D. Joana de Sousa, D. Catarina de Ataíde, Beatriz Lobato, Madalena da Silva, D. Ana de Melo, Isabel dos Santos, D. Antónia de Brito, Ana Baptista, Beatriz Pais Barreto, Duarte Álvares, D. Francisca Sodré, João de Sousa, D. Joana de Ataíde, Conde de Penela, Luís de Brito, Maria dos Santos, Adrião Nunes, Milícia da Madalena, Antónia de Jesus, Lourenço de Tovar, Sancho de Tovar, Visconde D. Lourenço de Brito, João Gomes, Helena de Figueiredo, Jácome Leite, Francisca de Brito, D. Beatriz Leite, Leonardo Manique, Brás Bernaldes, entre outros.

De entre a documentação que veio de Arquivo Histórico do Ministério das Finanças encontram-se certidões de missas e encargos pios, contas de capelas, receita e despesa, escrituras de venda, foros, relações de propriedades, alvarás, breves, provisões, portarias, autos cíveis de execução de sentenças, documentos relativos à sua fundação, receitas de medicamentos, testamentos, admissão de noviças, petições de saída e licenças, entre outros.

A documentação refere a Irmandade dos Homens Pretos de Santa Joana, e curas miraculosas.

Guia de Fundos Eclesiásticos; Ordem dos Pregadores; Feminino
Arrangement
Ordenação numérica específica para cada tipo de unidade de instalação (livros e maços).
Other finding aid
ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO - [Base de dados de descrição arquivística]. [Em linha]. Lisboa: ANTT, 2000- . Disponível no Sítio Web e na Sala de Referência da Torre do Tombo. Em actualização permanente.

Relação dos documentos do Convento de Santa Joana que, em virtude do Decreto de 2 de Outubro de 1862 foram transferidos para o Arquivo da Torre do Tombo, recebidos em 13 de Novembro de 1863, caderneta 1 (Abrunheira a Lavradio) (C 395).

Relação dos documentos do Convento de Santa Joana que, em virtude do Decreto de 2 de Outubro de 1862 foram transferidos para o Arquivo da Torre do Tombo, recebidos em 13 de Novembro de 1863, caderneta 2 (C 396).

Relação dos documentos do Convento de Santa Joana que, em virtude do Decreto de 2 de Outubro de 1862 foram transferidos para o Arquivo da Torre do Tombo, recebidos em 13 de Novembro de 1863, caderneta 3, (C 397). Descreve documentos dos Mosteiros da Anunciada, da Rosa, e um documento de Santa Mónica de Goa.
Related material
Portugal, Torre do Tombo, Ministério das Finanças, cx. 1975, 1976, 1977, 1978 e 1979.

Portugal, Torre do Tombo, Secretaria de Estado dos Negócios Eclesiásticos e da Justiça, mç. 309, n.º 9.

Portugal, Torre do Tombo, Administração do Convento de Santa Joana de Lisboa.
Creation date
4/6/2011 12:00:00 AM
Last modification
8/28/2018 10:24:22 AM