Casa de Lafões

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/TT/CL
Title type
Atribuído
Date range
1464 Date is certain to 2011 Date is certain
Dimension and support
441 liv., 1 mç., 416 cx., 38 doss.; papel, perg.
Biography or history
Foi 1.º duque de Lafões D. Pedro Henrique de Bragança e Ligne Sousa Tavares Mascarenhas da Silva (1718-1761), primogénito do infante D. Miguel, filho (legitimado) de D. Pedro II. O título foi-lhe concedido por D. João V, seu padrinho, no dia do baptizado. Por via materna, foi 3.º Marquês de Arronches, 7.º Conde de Miranda do Corvo e 31.º senhor da Casa de Sousa. Pertenceu ao Conselho de D. João V e foi regedor das Justiças da Casa da Suplicação.

Tendo falecido sem geração o título passou a seu irmão D. João Carlos de Bragança que nasceu em Lisboa a 6 de Março de 1719.

O 2.º Duque de Lafões foi figura de destaque na época. D. João Carlos de Bragança pretendeu prosseguir os estudos em Coimbra, mas as dúvidas do reitor e lentes da Universidade sobre o tratamento adequado a um personagem de sangue real, apresentada ao monarca, motivou a ordem de D. João V para que regressasse à Corte sem se despedir de pessoa alguma. Por ocasião do terramoto de 1755, o Duque de Lafões foi um dos voluntários que permaneceu em Lisboa para tratar dos vivos e enterrar os mortos. Dedicava-se à leitura de bons livros e ao cultivo das artes, em especial da música, mas o meio lisboeta não se apresentava muito favorável na época. Ausentou-se do Reino, onde só voltaria vinte e um anos depois. Várias razões têm sido apontadas para essa saída, inclusive a de que D. José lhe teria recusado a transmissão do título, hipótese sem consistência, visto que seu irmão D. Pedro Henrique faleceu 4 anos após D. João Carlos de Bragança se ter ausentado, sendo mais plausível ter saído por sua vontade, até porque manteve cordiais relações com D. José e com o Marquês de Pombal. Permaneceu vários meses em Inglaterra, tendo sido eleito membro da Royal Society de Londres. Daí partiu para Viena de Áustria. Obteve autorização para ingressar nos exércitos austríacos, tendo participado na Guerra dos Sete Anos. Assinada a paz em 1763, viajou pela Áustria, Itália, França, Rússia Alemanha, Suécia, Dinamarca e Turquia, só regressando a Portugal após a subida ao trono de D. Maria I. A soberana devolveu-lhe todas as honras e mercês, as comendas de sua Casa e o título de Duque de Lafões. Foi conselheiro de Estado e de Guerra, governador das Armas da Corte, marechal general do Exército Português, mordomo-mor do Príncipe Regente D. João, e ministro encarregado dos negócios da Guerra.

Um ano após a sua chegada a Portugal, D. João Carlos de Bragança apresentou a D. Maria I o projecto para a fundação de uma instituição de cultura, à semelhança das que conhecera no estrangeiro. Escolheu para seu colaborador o abade José Correia da Serra que também regressara ao Reino. Foi assim fundada a Academia das Ciências de Lisboa, cujos estatutos foram aprovados em 24 de Dezembro de 1779, tendo a 1.ª sessão ocorrido em 16 de Janeiro de 1780.

D. João Carlos de Bragança faleceu no seu palácio do Grilo, em Lisboa, em 1806.

Foram titulares do ducado, sucessivamente:

- 3.ª Duquesa de Lafões: D. Ana Maria de Bragança e Ligne de Sousa Tavares Mascarenhas da Silva (1797–1851).

- 4.º Duque de Lafões: D. Caetano Segismundo de Bragança e Ligne de Sousa Tavares Mascarenhas da Silva (1856–1927), neto da antecessora.

- 5.º Duque de Lafões: Afonso de Bragança (1893-1946), filho do antecessor. Casado com D. Alice de Macedo.

- 6.º Duque de Lafões: Lopo de Bragança (1921-2008), filho do antecessor. Casado com D. Maria José da Graça Salvação Barreto.

- 7.º Duque de Lafões: Afonso Caetano de Barros e Carvalhosa de Bragança (1956), sobrinho paterno do 6.º Duque de Lafões, sem descendência. Casado com D. Maria Teresa Black Ramada-Curto de Bragança.



Custodial history
Em 2015 a Associação Portuguesa dos Arquivos Históricos Privados – APAHP com autorização do Sr. Duque de Lafões, Dom Afonso de Bragança, proprietário e detentor do Arquivo, concorreu a uma linha de Apoio da Fundação Calouste Gulbenkian “Recuperação, Tratamento e Organização de Acervos Documentais” propondo a “Recuperação, tratamento e organização documental do Arquivo da Casa Lafões/Marialva”, com o objetivo de se proceder à sua disponibilização online. Foi iniciado a 15 de outubro de 2015, por Assunção Júdice e Leonor Calvão Borges, na base de dados Docbase3, para Arquivos Históricos, estando disponível no Sítio da Associação Portuguesa dos Arquivos Históricos Privados-APAHP, http://arquivoshistoricosprivados.pt/.

O Arquivo dos Duques de Lafões, adquirido em 2020, estava instalado no Palácio do Grilo, em Lisboa. Foi fornecida a descrição da documentação, num total de 72 ficheiros em formato pdf.

Em 2021, estes ficheiros contendo a descrição foram trabalhados e a informação migrada para a base de dados em uso no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, DTTDA (Divisão de Tratamento Tecnico Documental e Aquisições).

Acquisition information
Em 1989, foram adquiridos dois livros por compra em leilão de Silva's, n.º 478 e 477 do catálogo.

Em 26 de Janeiro de 2002, alguns documentos foram adquiridos por doação de José Quintanilha Mantas.

Em 6 de Fevereiro de 2007, um documento foi adquirido por compra no leilão n.º 70 da Livraria Antiquária do Calhariz, correspondendo ao lote 690.

Em 2020, foi adquirido por compra, o Arquivo da Casa Lafões e Marialva, num total de 439 livros, 416 caixas e 38 dossiers.
Scope and content
Inclui miscelâneas impressas e manuscritas provenientes da Casa de Lafões, intituladas "Várias memórias de despesa da Quinta de Valdigem, de vinhas da mesma quinta e outras muitas lembranças" (1812) e um índice dos foros da Casa no Alto Minho (século XIX).

O Arquivo dos Duques de Lafões, adquirido em 2020, é constituído por códices, maços e documentos avulsos datados de meados do século XVII ao século XX e inúmeras públicas formas e treslados de documentação mais antiga, que se perdeu no Terramoto de 1755, quando desapareceram os Palácios dos Duques de Lafões, ao Chiado e dos Marqueses de Marialva, no Loreto. Sendo um Arquivo de Famílias agrega os Fundos documentais das Casas que se uniram à Casa de Lafões através de heranças e laços matrimoniais. O acervo documental hoje existente é, na sua maioria, de carácter administrativo, contendo informações sobre as Famílias, as antigas Comendas, Morgados, Padroados e Propriedades; registos da chancelaria privativa da Casa de Lafões, Cantanhede e Marialva até final de oitocentos.

Integra documentação das Casas de Marialva, Cantanhede e Lafões, abrange um espaço geográfico que inclui Lisboa, Vila Franca de Xira, Ribatejo, Minho, Alentejo, Madeira, São Tomé e Príncipe, etc., acompanha um período temporal de [17--] a 2002 , e diz respeito a património classificado ou desaparecido.
Arrangement
Ordenação por tipo de unidades de instalação.
Access restrictions
O acesso e comunicabilidade atenderão a critérios de confidencialidade da informação em conformidade com a lei geral.

A documentação só poderá ser disponibilizada após 5 dias úteis de ser pedida.
Other finding aid
ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO - [Base de dados de descrição arquivística]. [Em linha]. Lisboa: ANTT, 2000- . Disponível no Sítio Web e na Sala de Referência da Torre do Tombo. Em actualização permanente.

Guias e Roteiros:

PORTUGAL. Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo. Direcção de Serviços de Arquivística - "Casa de Lafões". in Guia Geral dos Fundos da Torre do Tombo: Colecções, Arquivos de Pessoas Singulares, de Famílias, de Empresas, de Associações, de Comissões e de Congressos. Coord. Maria do Carmo Jasmins Dias Farinha [et al.]; elab. Lucília Runa; fot. José António Silva. Lisboa: IAN/TT, 2005. vol. VI. (Instrumentos de Descrição Documental). ISBN 972-8107-69-2. p. 206-208. Acessível na Torre do Tombo, ID L 602/6.

PORTUGAL. Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo - Arquivos Particulares: catálogo. [dactilografado]. Acessível na Torre do Tombo, ID L 545, p. 5.
Related material
Portugal, Torre do Tombo: Ministério dos Negócios Estrangeiros (PT-TT-MNE); Ministério dos Negócios Eclesiásticos e da Justiça (PT-TT-MNEJ): Correspondência dos Duques de Lafões); Casa de Marialva (PT-TT-CMRL);

Portugal, Arquivo Histórico de Sintra: "Acervo da Casa de Lafões";

Portugal, Arquivo Histórico Militar: "Comando do Duque de Lafões".

Portugal. ICS: Arquivo de História Social, Coleção Nuno Gonçalo Monteiro.
Publication notes
CARVALHO, Rómulo de - D. João Carlos de Bragança, 2º duque de Lafões, fundador da Academia das Ciências. Lisboa: ACL, 1987.
FERRÃO, António - O Segundo Duque de Lafões e o Marquês de Pombal. Subsídios para a biografia do fundador da Academia das Ciências de Lisboa. In "Boletim de 2ª Classe". XIX, p. 407-588.
MONTEIRO, Nuno Gonçalo - O crepúsculo dos grandes : a casa e opatrimónio da aristocracia em Portugal : 1750-1832. LIsboa: INCM, imp. 1998.
TORRES, João Carlos Feo Cardoso de Castelo Branco e; SANCHES DE BAÊNA (Visconde de Sanches de) - Memórias Histórico-Genealógicas dos Duques Portuguezes do Século XIX. Lisboa: Na Typographia da Academia Real das Sciencias, 1883.
ZUQUETE, Afonso; SILVA, J. Ricardo da - Nobreza de Portugal e do Brasil. 3ª edição. Lisboa; Rio de Janeiro: Zairol Editores, 2000.
Creation date
2/8/2008 12:00:00 AM
Last modification
10/13/2021 10:34:25 AM
Record not reviewed.