Digital representation
Digital representation thumbnail

"Livro de Duarte Barbosa" e outros papéis

Description level
Instalation unit Instalation unit
Reference code
PT/TT/MSBR/0025
Title type
Formal
Descriptive dates
[15--]
Dimension and support
1 liv. (286 f.); papel
Scope and content
Este livro contém:

- “Livro de Duarte Barbosa já impresso pela Academia Real das Ciências" (p. 1 a 158)

- "Relação dos governadores e vice-rei da Índia até 1550" (p. 159 a 162)

- "Navegação e viagem de Fernão de Magalhães quando descobriu o estreito do seu nome". É um roteiro feito por um piloto genovês que foi na armada (p. 163 a 173)

- "Fragmentos de crónica, que se devem examinar. Parecem à primeira vista serem as de Ruy de Pina" (p. 175 a 286)



Este livro, a páginas 163 a 173, inclui o "Traslado de um caderno de um piloto genovês que vinha na dita nau [São Jorge ?] que escreveu da viagem como aqui está, e foi para Portugal, no ano de 1524, com D. Henrique de Meneses". Tem o seguinte título: "Navegação e viagem que fez Fernão de Magalhães de Sevilha para Maluco no ano de 1519".

Partiu de Sevilha a 10 de agosto até à Baía, em 21 de setembro, e tanto que foi fora, governou a Sudoeste a demandar a Ilha de [?] onde chegaram a 29 de setembro e daqui fez a sua rota a demandar as ilhas de Cabo Verde e passaram por entre as ilhas e o Cabo sem haver vista de um nem de outro; e tanto que houveram vista da outra costa do Brasil, governou ao Sueste ao longo dela até ao Cabo Raso [?] que está a 23 graus da banda do Sul; deste Cabo governou ao Sul obra de 30 léguas a demandar o Rio de Janeiro […] e entraram no dito Rio no dia de Santa Luzia que era 13 de dezembro […] partiram a 25 de dezembro e navegaram ao longo da costa a demandar o Cabo de Santa Maria que está em 34 graus e ⅔ e, tanto que deles houveram vista, fez seu caminho […] e acharam-se metidos em um rio de água doce, a que puseram o nome de Rio de São Cristóvão e nele estiveram três dias de fevereiro de 1520. Continuaram até à Ponta de Santo António, ao Cabo de Santa Apolónia, aos Baixos das Correntes. Daqui navegaram ao mar e perderam a vista de terra, obra de dois ou três dias, e voltaram a demandar a terra. Chegaram à Ilha de São Mateus, navegaram até chegarem a outra baía onde tomaram muitos lobos marinhos e pássaros. A esta se pôs o nome de Baía dos Trabalhos, que está a 37 graus, onde se perdeu a nau capitânia com o temporal. No derradeiro dia do mês de março chegaram ao porto de São Julião que está a 49 graus e ⅓. Neste Porto se levantaram três naus contra o Capitão Mor, dizendo os capitães delas que o queriam levar preso a Castela, que os levava todos a perder. O Capitão Mor com a ajuda e favor dos estrangeiros que levava na sua nau foi às três naus que eram já levantadas, onde foi morto o capitão de uma delas, e o tesoureiro de toda a armada, Luís de Mendoça, foi morto na sua nau às punhaladas pelo meirinho mor da armada que para isso foi mandado por Fernando de Magalhães, em um batel com certos homens, e sobradas assim as ditas três naus, daí a 5 dias mandou Fernando de Magalhães degolar e esquartejar a Gaspar de Queixada que ía por capitão de uma das naus [...]. Aqui fez o Capitão Mor por capitão de uma das naus, Álvaro de Mesquita, português, e partiram deste porto, a 24 dias do mês de agosto, quatro naus porque a mais pequena era já perdida e carregou o tempo [...] à costa donde sobrou toda a gente e mercadoria, e artilharia e aparelhos, e estiveram neste porto, onde invernaram, 5 meses 24 dias [...] ao sol 73 graus menos 10 minutos. Partiram deste Porto e navegaram obra de 20 léguas ao longo da costa e entraram em um rio que se chama de Santa Cruz, onde estiveram tomando mercadoria e o mais que podiam.

E no outro onde invernaram havia gentes como selvagens e os homens são de altura de 9 a 10 palmos, não têm casas, andam com gados de uma parte para outra, são todos frecheiros e matam muitos animais e das peles fazem vestimentas [...] as mulheres são muito pequenas e trazem grandes cargas às costas, calçam e vestem como os homens. [...] destes homens houveram três ou quatro, trouxeram-nos em as naus e morreram todos, excepto o que foi na nau para Castela. Partiram a 18 de Outubro, navegaram mais ao longo da costa e no dia 27 descobriram um cabo, a 52 graus, a que chamaram das Virgens porque era o dia da 11 mil virgens, e deste cabo a 2 ou 3 léguas, navegando ao longo da costa, acharam-se na boca de um estreito, que Fernando de Magalhães mandou ver o que havia dentro e acharam três canais, um mais para o Sul e um que atravessava para a banda de Maluco e, porque isso ainda não era sabido, somente os três boqueirões. As tentativas de passagem por entre ilhas e boqueirões, a exploração de um destes, para sul, em busca da saída, com perda da nau que tinha por capitão Álvaro de Mesquita; a entrada por um canal com 3 léguas de largo, indo por ele enquanto foi dia e à noite o Capitão Mor mandou batéis seguidos de naus e trouxeram nova de que havia saída, que viam o mar grande pela outra banda, por onde Fernão de Magalhães mandou tirar muita artilharia, e antes de saírem deste estreito acharam duas ilhas, uma maior e outra mais contra a saída e mais pequena, pelas quais passaram. A saída e a entrada localizadas a 52 graus. Demoraram no Estreito de 21 de outubro a 26 de Novembro de 1520. Navegaram até a outra Ilha a que puseram o nome dos Bons Sinais, porque acharam nela algum ouro [...] Tem este estreito até à saída 100 léguas. Navegaram encontrando várias ilhas povoadas, que foram nomeando, e foram surtir em outra ilha que se chama Macarigor [?] que está a 9 graus, e nesta lhes fizeram muito boa companhia e puseram nela uma cruz. Este Rei os levou daqui, obra de 30 léguas, a outra que está em 10 graus, e em esta fez Fernando de Magalhães o que quiz e tornaram-se em um dia 800 cristãos, onde por isso, quiz que os outros reis fossem sujeitos a este que se tinha tornado cristão, os quais não quiseram dar a tal obediência. Vendo Fernão de Magalhães isto fazer, uma noite partiu com seus batéis e foi lá queimar os lugares daqueles que assim não queriam dar a obediência. Depois disto feito, obra de 10 ou 12 dias, mandou a um lugar, obra de meia légua do que tinha queimado, que também é ilha, que logo lhe mandassem três cabras e três porcos, três fardos de arroz, três fardos de milho, para mantimento das naus, o que responderam que queriam mandar antes dois, que logo o supririam. Como não quiseram fazer como Fernão de Magalhães pedia, mandou aparelhar três batéis com obra de 50 a 60 homens, saindo em 28 de abril pela manhã, achando muita gente, uns três a quatro mil homens "que pilitaram de tão boamente" que aí foi morto o dito Fernando de Magalhães com [?] homens dos seus em 1521.

[...]

Termina "Deo Gratias".

Access restrictions
Documento sujeito a autorização para consulta e a horário restrito.
Physical location
Manuscritos do Brasil, liv. 25
Language of the material
Português
Type of container
Outro
Creation date
8/5/2009 12:00:00 AM
Last modification
10/27/2021 8:35:04 AM