Convento de Santa Marta de Lisboa

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/TT/CSML
Title type
Atribuído
Date range
1522 Date is certain to 1891 Date is certain
Dimension and support
122 liv., 131 pt.; perg., papel
Biography or history
O Convento de Santa Marta de Lisboa era feminino, pertencia à Ordem dos Frades Menores, da Terceira Ordem, e estava sob jurisdição diocesana.

Era também conhecido por Convento de Santa Marta de Jesus.

Em 1569, a pedido do Padre António de Monserrate, representante dos Padres de São Roque (da Companhia de Jesus), o rei D. Sebastião autorizou a fundação do asilo de Santa Marta, para as filhas das vítimas da peste.

Depois de 1577, após a subida ao trono do Cardeal D. Henrique, os padres de São Roque pediram a passagem do recolhimento a Mosteiro.

Em 1583, D. Jorge de Almeida, arcebispo de Lisboa, autorizou a instituição de um convento de religiosas clarissas de 2ª regra (urbanistas), sob a invocação de Santa Marta, sendo fundadoras 3 religiosas vindas do Convento de Santa Clara de Santarém.

Em 1612, teve início a construção da igreja, que contava com 12 capelas ornadas de talha e azulejo.

Em 1693, residindo a rainha viúva de Inglaterra, D. Catarina de Bragança, no palácio dos condes de Redondo, contíguo à igreja conventual, é aberta uma tribuna sobre a capela-mor para que a soberana aí pudesse assistir às celebrações. Esta tribuna foi fechada assim que D. Catarina se instalou no seu Paço da Bemposta.

Em 1755, os danos causados pelo terramoto obrigaram as freiras a permanecer abarracadas na cerca até que estivesse concluída a reconstrução.

Em 1834, no âmbito da "Reforma geral eclesiástica" empreendida pelo Ministro e Secretário de Estado, Joaquim António de Aguiar, executada pela Comissão da Reforma Geral do Clero (1833-1837), pelo Decreto de 30 de Maio, foram extintos todos os conventos, mosteiros, colégios, hospícios e casas de religiosos de todas as ordens religiosas, ficando as de religiosas, sujeitas aos respectivos bispos, até à morte da última freira, data do encerramento definitivo.

Os bens foram incorporados nos Próprios da Fazenda Nacional.

Em 1887, o convento foi extinto em 15 de Dezembro, por morte da última religiosa.

Em 1889, pela Lei de 13 de Julho, o edifício é cedido à Irmandade dos Clérigos Pobres.
Custodial history
A documentação do Convento de Santa Marta de Lisboa encontrava-se no Arquivo Histórico do Ministério das Finanças (instalado no edifício do extinto Convento de Santa Joana, sito na Rua de Santa Marta, n.º 61-E, Lisboa), no conjunto designado por 'Cartórios dos conventos'. Com a extinção do Arquivo Histórico do Ministério das Finanças, pelo Decreto-Lei n.º 106-G/92, de 1 de Junho, todo o seu acervo foi integrado na Torre do Tombo. Em 2008, procedeu-se à descrição da documentação, mas a documentação manteve as cotas do Arquivo Histórico do Ministério das Finanças, tendo sido identificados 122 livros e 131 pastas, com as datas extremas entre 1705 e 1857.
Scope and content
De entre a documentação deste fundo encontra-se documentação relativa a rendimentos, receita e despesa, rendas e foros, pagamentos de ordenados, tenças, títulos de domínios directos, correspondência e minutas, escrituras de foreiros e inventários, e ainda testamentos, escrituras de dotes, quitações, títulos de alienação de bens, autos cíveis, precatórias, e mandados judiciais.

Existem inquirições de genere, certidões de óbito e baptismo, e outra documentação relativa a noviças, freiras, educandas, organistas, capelães, confessores e outras pessoas ao serviço do convento.

Contém determinações, alvarás, títulos de mercês, provisões, decretos e portarias régias, ordens, despachos e provisões patriarcais.

Inclui certidões de missas e instituições pias, registos de enfermaria e recibos de botica.

A documentação menciona a Confraria da Gloriosa Santa Marta, a Confraria do Santíssimo Sacramento, a Casa da Roda, o Hospital de São José, o Convento de Santa Marta de Jesus do Funchal e os foreiros de Santa Luzia, entre muitos outros.

Guia de Fundos Eclesiásticos; Ordem dos Frades Menores; Feminino
Arrangement
Ordenação numérica sequencial de unidade de instalação (livros e pastas).
Other finding aid
ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO - [Base de dados de descrição arquivística]. [Em linha]. Lisboa: ANTT, 2000- . Disponível no Sítio Web e na Sala de Referência da Torre do Tombo. Em actualização permanente.
Related material
Portugal, Torre do Tombo, Ministério das Finanças, cx. 1980 e 1981
Creation date
4/5/2011 12:00:00 AM
Last modification
2/2/2017 9:27:41 AM