Mosteiro de Lorvão

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/TT/MSML
Title type
Atribuído
Descriptive dates
0919-[18--]
Dimension and support
564 liv., 111 mç., 9 rolos; perg., papel
Biography or history
O Mosteiro de Lorvão, de início, era masculino e pertencia à Ordem de São Bento. Passou depois a mosteiro feminino e pertencia à Ordem de Cister. O Mosteiro também foi designado por Mosteiro de Santa Maria de Lorvão

Foi fundado pouco depois da conquista de Coimbra, em 878, por Afonso III de Leão. Sob a invocação de São Mamede e São Paio, o Mosteiro expandiu-se, ao longo do século X, pelas terras reconquistadas aos muçulmanos e adquiriu uma considerável riqueza no território situado entre os rios Vouga e Mondego.

Em 974, a 22 de Julho, foi feita a carta de doação da vila de Santa Comba, sendo donatário o Mosteiro de Lorvão. Em 985, a 22 de Julho, por testamento de Monio Gonçalves metade da referida vila ao Mosteiro.

Com a invasão de Almansor, em finais do século X e a multiplicação de confrontos, entre cristãos e sarracenos, na área de influência do Mosteiro, este perdeu parte dos seus bens, entrando numa fase de recessão que se prolongou por quase todo o século XI. Em 1063, o presbítero Ermigio doou-lhe a Igreja de Molelos.

A partir de 1086, adoptou a regra beneditina e sob o governo do abade Eusébio veio a recuperar o prestígio anteriormente alcançado. Apesar da prosperidade em que vivia, numa fase de guerra ao cristianismo moçárabe, em 1092, o Mosteiro passou a priorado e, em 1109, foi doado pelo conde D. Henrique à diocese de Coimbra. Em 1116, a comunidade conseguiu restaurar a sua autonomia e o abade Eusébio foi reconduzido nas suas funções.

Em 1115, Sendino e esposa fazem a doação ao Mosteiro do que lhes pertence em Routar e em Vila-Chã do Monte, com certas reservas.

Em 1133, por D. Afonso Henriques, a paróquia do couto de Sabugosa foi dada ao Mosteiro de Lorvão.

Em 1150, os monges do Lorvão deram Bagaúste a D. Afonso Henriques.

Em 1198, o Mosteiro de Lorvão e Aires Ramires, como senhores de Mouraz, deram carta de foral aos povoadores que ali quisessem estabelecer-se.

O Mosteiro do Lorvão alcançou prestígio cultural, sobretudo no último quartel do século XII, época em que o 'scriptorium' do Mosteiro produziu obras como o "Livro das Aves" (1183), o "Comentário de Santo Agostinho aos salmos" (1184) ou o "Apocalipse do Lorvão".

A Sé de Coimbra não deixou de reclamar a sua jurisdição sobre o Mosteiro, pelas bulas pontifícias de 1199 e 1203. No início do século XIII, um complexo processo entre o Mosteiro do Lorvão e D. Teresa, filha de D. Sancho I, levou ao afastamento da comunidade beneditina do cenóbio, passando a ser habitado por religiosas, sob protecção da princesa. A primeira referência à presença das monjas data de 1206; em 1211, após interferência do papa Inocêncio III, terminou o litígio que opunha D. Teresa ao Mosteiro. De direito, instalaram-se em Lorvão, D. Teresa e quarenta religiosas, segundo o estatuto da ordem de Cister. Os monges foram dispersos por vários mosteiros, entre os quais os de Pendorada e de Pedroso. O cenóbio laurbanense, que reunira já um avultado património fundiário durante o período de ocupação beneditina, continuou a aumentar os seus bens até meados do século XIV, época em que possuía propriedades desde a margem do Rio Minho até ao Tejo e Lisboa.

Cerca de 1205 ou 1206, por carta do bispo de Coimbra , D. Pedro, o mosteiro do Lorvão foi concedido à rainha D. Teresa, com reserva dos direitos episcopais.

Em 1321, segundo o "Catálogo de todas as igrejas, comendas e mosteiros que havia nos reinos de Portugal e Algarves, pelos anos de 1320 e 1321", foi taxado em 5000 libras. Com a peste de 1348, a comunidade de cerca de meia centena de religiosas quase desapareceu, vendo-se reduzida a menos de uma dezena de monjas.

Em 1433, a 25 de Dezembro, por D. Duarte foi dada carta de privilégios ao Mosteiro de Lorvão. Um mês depois, deu-lhe carta de jurisdição dos coutos de Rio de Asnos e Sabugosa. Nesse ano, recebeu nova carta de privilégios de D. Duarte.

Em 1439, a 31 de Agosto, D. Afonso V confirmou-lhe todos os seus privilégios, liberdades, graças e mercês.

Em 1468, a 10 de Dezembro, D. Afonso V privilegiou D. Beatriz da Cunha, abadessa de Lorvão, coutando-lhe o ribeiro que ficava situado à frente do dito Mosteiro. Nessa data, a pedido da abadessa, privilegiou-lhe os caseiros e lavradores, isentando-os da tomadia de palhas que tivessem em suas casas.

Em 1496, a 7 de Maio, a abadessa e religiosas do Mosteiro de Lorvão receberam carta de confirmação das honras, privilégios e liberdades, concedidas pelos monarcas anteriores.

Em 1517, a 13 de Março, D. Manuel I passou licença a Francisco Mendes, procurador da correição da comarca da Estremadura, para fazer o tombo dos bens e heranças do Mosteiro de Lorvão. A 18 de Junho, a sentença sobre os pastos da ilha de Travisco foi confirmada ao referido procurador. O Mosteiro tinha emprazadas as ilhas de Fuzil, Parraxil e Travisco.

No século XV, a sua recuperação era evidente e em 1532, por ocasião da visita do abade de Claraval, este foi descrito como casa de vida fervorosa e regular.

Em 1536, os visitadores aragoneses passaram pelo Mosteiro, ficando testemunhos da existência de um número excessivo de religiosas.

Em 1538, a 19 de Março, a prioresa e religiosa do Mosteiro de Lorvão pediram a D. João III, justiça e observância dos seus estatutos e privilégios, em consequência da eleição da nova prioresa ter decorrido depois da eleição de D. Filipa de Eça, por suborno de outras religiosas do mesmo Mosteiro.

Na segunda metade do século XVI, as religiosas empenharam-se em conseguir de Roma o reconhecimento do culto das infantas D. Sancha e D. Teresa. Em 1705, foram beatificadas.

Em 1817, a 16 de Março, por provisão passada ao Mosteiro, passou a pertencer-lhe a barca de passagem do rio Vouga.

Foram da apresentação do Mosteiro de Lorvão, no actual distrito de Leiria, as paróquias de Abiúl, freguesia de invocação de Nossa Senhora das Neves (priorado e mais tarde vigararia), a paróquia de Almoster (curato mais tarde vigararia); no actual distrito de Viseu as paróquias de Couto de Baixo e Couto de Cima (abadias), de Nossa Senhora da Assunção de Treixedo (priorado). Estas duas últimas foram de apresentação alternativa entre o Bispo de Viseu e o Mosteiro de Lorvão.

Em 1834, no âmbito da "Reforma geral eclesiástica" empreendida pelo Ministro e Secretário de Estado, Joaquim António de Aguiar, executada pela Comissão da Reforma Geral do Clero (1833-1837), pelo Decreto de 30 de Maio, foram extintos todos os conventos, mosteiros, colégios, hospícios e casas de religiosos de todas as ordens religiosas, ficando as de religiosas, sujeitas aos respectivos bispos, até à morte da última freira, data do encerramento definitivo.

Os bens foram incorporados nos Próprios da Fazenda Nacional.

Localização / Freguesia: Lorvão (Penacova, Coimbra)
Custodial history
Em data ainda indeterminada, entre 1860 e 1864, José Manuel da Costa Basto trouxe vários códices do cartório do Governo Civil do Porto (pertencentes ao Mosteiro de Leça, ao Mosteiro de Paço de Sousa, ao Mosteiro de Grijó, ao Convento de São Francisco do Porto, ao Mosteiro de São Simão da Junqueira), do cartório do Governo Civil de Coimbra (pertencentes ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra), do cartório do Governo Civil de Viana (pertencentes ao Mosteiro de Santa Maria de Refóios de Lima), dos arquivos da Sé de Coimbra, e da Sé de Viseu, dos Mosteiros de Lorvão e de Arouca, e do arquivo da Colegiada de Guimarães. Do Mosteiro do Lorvão vieram os 9 livros aos quais foram atribuídas as cotas antigas Colecção Costa Basto 19 a 26 e 38.

Em 1864, a 31 de Agosto, em virtude do decreto de 2 de Outubro de 1862 e portaria de 9 de Julho de 1863, foram entregues 1480 documentos e um códice por D. Maria da Graça Freire, abadessa de Lorvão, ao diplomático João Pedro da Costa Basto, para serem depositados no Arquivo da Torre do Tombo.

Em 1879, a 8 de Julho, por ofício do Ministério do Reino foi pedida a rápida nomeação da pessoa encarregue da recepção dos documentos do cartório do Convento de Santa Maria do Lorvão, por parte da Torre do Tombo, face ao perigo de extravio a que estavam sujeitos, por residir no convento apenas uma freira. No dia 22, do mesmo mês e ano o Ministério do Reino, informava por ofício, ter expedido ao bispo de Coimbra a competente portaria para que fossem entregues todos os documentos do cartório do Convento de Santa Maria do Lorvão aos oficiais diplomáticos Costa Campos e Azevedo Bastos, seguindo formalidades prescritas no Decreto de 2 de Outubro de 1862. De facto, a 18 de Julho, em virtude da portaria do Ministério do Reino de 5 de Agosto de 1879, a abadessa D. Luisa Madalena Tudela entregou os livros e documentos que se encontravam no cartório a Roberto Augusto da Costa Campos e a Rafael Eduardo de Azevedo Bastos.

Em 1886, a 21 de Junho, por ofício do Ministério do Reino comunicaram-se as ajudas de custo pagas a Eduardo de Azevedo Basto, encarregado em fazer recolher os livros e documentos pertencentes a corporações religiosas existentes na repartição da Fazenda de Coimbra. A 26 de Julho, por ofício do citado Ministério dava-se conhecimento das ordens sobre a entrega dos livros e documentos das corporações religiosas a serem recolhidos, dadas aos delegados do Tesouro dos distritos de Coimbra e Funchal.

Em 1897, a 26 de Junho, em virtude do ofício da Direcção-Geral dos Próprios Nacionais de 3 de Junho desse ano, foram entregues 127 livros à Repartição da Fazenda do distrito de Coimbra, constantes da relação de 18 de Agosto. A numeração geral dos livros manteve-se sequencial do 1 ao 555, ficando a faltar os livros 46 a 106, 221 a 265 e 287 a 308.

Em 1912, a documentação, que se encontrava na Biblioteca Nacional, foi enviada pela Inspecção das Bibliotecas e Arquivos para a Torre do Tombo.

Parte da documentação esteve integrada na designada Colecção Especial. Entre os anos de 1938 e 1990, sempre que possível e considerando a sua proveniência, a documentação foi reintegrada nos fundos, numa tentativa de reconstituição dos cartórios de origem. Estes documentos foram ordenados cronologicamente, constituídos maços com cerca de 40 documentos, aos quais foi dada uma numeração sequencial.

Em 1948, a 6 de Novembro, os forais que estavam integrados no fundo do Mosteiro do Lorvão, passaram para a Casa Forte, constituindo parte da Colecção de Forais. Esta informação consta do instrumento de descrição C 415 e está assinada por João Martins da Silva Marques. Os forais são respeitantes a Botão, Rio de Asnos, Sabugosa, Serpins, Teixedo, Abiul e Esgueira.

No final da década de 1990, foi abandonada a arrumação geográfica por nome das localidades onde se situavam os conventos ou mosteiros, para adoptar a agregação dos fundos por ordens religiosas.

O instrumento de descrição C 414, "Relação dos 41 códices em pergaminho do Mosteiro de Lorvão que se encontram na Casa Forte", foi retirado do Serviço de Referência da Torre do Tombo, em 5 de Junho de 2009, porque as informações que continha foram introduzidas nos registos descritivos, em base de dados, dos respectivos documentos (Mosteiro do Lorvão, códices 1 a 41), na sequência do despacho do Director do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, de 12 de Junho de 2009, à informação DATA_09_I/000559, de 5 de Junho de 2009.

O instrumento de descrição C 284, "Relação dos livros que José Manuel da Costa Basto trouxe do cartório do Governo Civil do Porto (pertencentes ao Mosteiro de Leça, ao Mosteiro de Paço de Sousa, ao Mosteiro de Grijó, ao Convento de São Francisco do Porto, ao Mosteiro de São Simão da Junqueira), do cartório do Governo Civil de Coimbra (pertencentes ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra), do cartório do Governo Civil de Viana (pertencentes ao Mosteiro de Santa Maria de Refóios de Lima), da Biblioteca Pública do Porto (pertencentes ao Mosteiro de Paço de Sousa, ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra), dos arquivos das Sés de Coimbra, e Viseu, dos Mosteiros de Lorvão e de Arouca, do arquivo da Colegiada de Guimarães" (C 284), que descreve os livros com as cotas Basto 19 a 26 e 38, foi também retirado do Serviço de Referência.

A descrição dos documentos foi feita, na sua maioria, a partir das descrições já existentes nos ID, ou do sumário patente no verso dos documentos.
Scope and content
Contém privilégios régios concedidos ao Mosteiro, forais, tombos de propriedades, livros de foros e rendas, sentenças, prazos, aforamentos, bulas pontifícias, cartas régias, instrumentos de posse, cartas de emprazamento (renúncias e reconhecimentos) de aforamento, de arrendamento, de doação, de quitação, de venda, de partilha, testamentos, "Liber Testamentorum", documentos sobre contendas, procurações, traslados, entre outros documentos.

Contém também livros litúrgicos: missais (Evangeliário, graduais e Missal Antigo) livros de ofício divino, horas canónicas ou breviários (antifonários e o Livro Ordinário do Ofício Divino da Ordem de Cister) livros canónicos (Apocalipse, Livro da Sagrada Escritura, e Testamento Velho), livros religiosos (Livro das Aves) e livros de carácter jurídico (Regra de São Bento).

Fundos Eclesiásticos; Ordem de Cister; Feminino
Arrangement
Ordenação numérica específica para cada tipo de unidade de instalação (livros e maços). Organização dos livros religiosos em secção.
Access restrictions
Contém documentos sujeitos a autorização especial para consulta e a horário restrito.
Language of the material
Português, latim e francês. Letra visigótica cursiva, redonda e de transição para carolina, carolina, carolino-gótica, gótica e minúscula diplomática.
Other finding aid
ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO - [Base de dados de descrição arquivística]. [Em linha]. Lisboa: ANTT, 2000- . Disponível no Sítio Web e na Sala de Referência da Torre do Tombo. Em actualização permanente.

Inventário dos cartórios recolhidos da Biblioteca Nacional, em 1912 (L 283) f. 97.

Inventário das corporações religiosas, desintegrado da antiga Colecção Especial (contém a nota explicativa da restituição dos documentos aos cartórios de origem, feita pela conservadora Maria Teresa Geraldes Barbosa Acabado) em 24/07/1978 (L 208), p. [4v] e 5.

Inventário dos documentos do Mosteiro de Santa Maria de Lorvão que, em virtude do Decreto de 2 de Outubro de 1862 e Portaria de 9 de Julho de 1863, foram transferidos para o Arquivo Nacional da Torre do Tombo, recebidos no Mosteiro, em 31 de Agosto de 1864 (L 288).

"Mosteiro do Lorvão: inventário preliminar". Elab. pela estagiária Helena Maria da Conceição Salvador. Lisboa, AN/TT-DSA, 1981 (L 506).

Relação de livros e documentos existentes no cartório do Mosteiro de Santa Maria de Lorvão que, em virtude da Portaria do Ministério do Reino de 5 de Agosto de 1879, foram transferidos para o Arquivo Nacional da Torre do Tombo, recebidos no Mosteiro, em 18 de Agosto de 1879. Inclui a Relação dos 30 maços do Mosteiro de Lorvão, e a Relação dos 68 maços de pergaminhos das antigas caixas de madeira (L 288).

Relação dos livros e documentos existentes no cartório do Mosteiro de Santa Maria do Lorvão que em virtude da Portaria do Ministério do Reino de 5 de Agosto de 1879 foram transferidos para o Arquivo da Torre do Tombo (C 415).

Relação dos livros e documentos existentes no cartório do Mosteiro de Santa Maria do Lorvão que em virtude da Portaria do Ministério do Reino de 5 de Agosto de 1879 foram transferidos para o Arquivo da Torre do Tombo (C 416).

Relação dos livros e documentos existentes no cartório do Mosteiro de Santa Maria do Lorvão que em virtude da Portaria do Ministério do Reino de 5 de Agosto de 1879 foram transferidos para o Arquivo da Torre do Tombo (C 417).

Relação dos livros que José Manuel da Costa Basto trouxe do cartório do Governo Civil do Porto (pertencentes ao Mosteiro de Leça, ao Mosteiro de Paço de Sousa, ao Mosteiro de Grijó, ao Convento de São Francisco do Porto, ao Mosteiro de São Simão da Junqueira), do cartório do Governo Civil de Coimbra (pertencentes ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra), do cartório do Governo Civil de Viana (pertencentes ao Mosteiro de Santa Maria de Refóios de Lima), da Biblioteca Pública do Porto (pertencentes ao Mosteiro de Paço de Sousa, ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra), dos arquivos das Sés de Coimbra, e Viseu, dos Mosteiros de Lorvão e de Arouca, do arquivo da Colegiada de Guimarães (C 284). Descreve os livros com as cotas Basto 19 a 26 e 38. Este ID foi retirado da consulta porque os documentos já foram todos descritos na base de dados.
Alternative form available
Existem cópias de consulta em microfilme e em formato digital.
Related material
Portugal, Arquivo Distrital de Braga.

Portugal, Arquivo da Universidade de Coimbra.

Portugal, Biblioteca Nacional.

Portugal, Biblioteca Pública de Évora.

Portugal, Torre do Tombo, Arquivo do Arquivo, n.º 284 (cx.126)

Portugal, Torre do Tombo, Cabido da Sé de Coimbra, 1.ª incorporação, cx. 28, rolo n.º 5

Portugal, Torre do Tombo, Convento do Espírito Santo de Gouveia

Portugal, Torre do Tombo, Ministério das Finanças, cx. 1907 e 1908

Portugal, Torre do Tombo, Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, Livros de escrituras antigas

Portugal, Torre do Tombo, Registo Geral de Mercês, D. Afonso VI, liv.19, f. 279v

Portugal, Torre do Tombo, Registo Geral de Mercês, D. João V, liv.25, f. 428

Portugal, Torre do Tombo, Registo Geral de Mercês, Registo de Certidões, liv.1 (1), f. 25

Portugal, Torre do Tombo, Registo Geral de Mercês, Torre do Tombo, liv.5, fl.72-73

Portugal, Torre do Tombo, Secretaria de Estado dos Negócios Eclesiásticos e da Justiça mç. 273, n.º 2.
Publication notes
AZEVEDO, Pedro A de; BAIÃO, António - "O Arquivo da Torre do Tombo: sua História, corpos que o compõem e organização". Lisboa: Academia de Estudos Livres, 1905. p. 73-84. Ed. Facsimilada. Contém a descrição dos documentos iluminados do cartório de Lorvão.
AZEVEDO, Rui de - O Mosteiro do Lorvão na reconquista cristã. Lisboa: Bertrand, 1933. 62 p. Exemplar existente na Torre do Tombo, Biblioteca, S.S. 2780 (3).
COSTA, P. Avelino de Jesus da - "Álbum de Paleografia e Diplomática Portuguesas: estampas". 6.ª ed.. Coimbra, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra; Instituto de Paleografia e Diplomática, 1997. N.º 32, 59.
"Documentos Medievais Portugueses". Lisboa : Academia Portuguesa de História, 1958- . 2 vol.; 38 cm. v. 1, t. 1: "Documentos Régios: documentos dos Condes Portucalenses e de D. Afonso Henriques A.D. 1095-1185. 1962.
"Ordens religiosas em Portugal: das origens a Trento: guia histórico". Dir. Bernardo de Vasconcelos e Sousa. Lisboa: Livros Horizonte, 2005. ISBN 972-24-1433-X. p. 117-118
SANTOS, Maria José Azevedo - "Da Visigótica à Carolina: a escrita em Portugal de 882 a 1172". Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, 1994. p. 83, 115, 130, 168, 179, 187 e 195.
EGRY, Anne - O Apocalipse do Lorvão. Lisboa : Fundaçao Calouste Gulbenkian, 1972. Disponível na Torre do Tombo, Biblioteca, SV 7478, SV 7479.
SANTOS, Maria Leonor Ferraz de Oliveira Silva - O domínio de Santa Maria do Lorvão no século XIV. Pref. Iria Gonçalves. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2001. ISBN 972-27-1103-2. Disponível na Torre do Tombo, Biblioteca 787/06.
Creation date
4/4/2011 12:00:00 AM
Last modification
1/16/2020 10:00:33 AM