Digital representation
Digital representation thumbnail

"Colóquio dos simples, e drogas e coisas medicinais da Índia e assim de algumas frutas achadas nela onde se tratam algumas coisas tocantes a medicina prática, e outras coisas boas para saber", por Garcia de Orta, físico do Rei

Description level
File File
Reference code
PT/TT/CF/088
Title type
Formal
Date range
1563-04-10 Date is certain to Date is certain
Dimension and support
1 liv. impresso (220 x 150 x 35mm); papel
Biography or history
Garcia de Orta foi um médico e botânico ou naturalista português do século XVI. Nasceu, em 1501, em Castelo de Vide. Primeiro filho de Fernando de Orta, natural de Valência de Alcântara, e de Leonor Gomes, natural de Albuquerque, judeus, expulsos de Espanha em 1492 pelos Reis Católicos. Era irmão de Catarina de Orta, natural da mesma localidade, em cujo processo da Inquisição de Lisboa, os pais são identificados como cristãos novos. Estudou em Salamanca e Alcalá de Henares (durante os anos de 1515-1523) Gramática, Artes, Súmulas, e Filosofia Natural, licenciando-se em Medicina. Em Alcalá estudou Botânica tendo por mestre Antonio de Lebrija cujo ensino incluía também saídas para herborização. Cerca de 1523 regressou a Castelo de Vide. Obteve licença para exercer o cargo de físico após exame e aprovação como "auto e suficiente" pelo físico mor, por carta régia de 10 de abril de 1526. No final deste ano, estava em Lisboa, concorrendo às cadeiras universitárias de Lógica, Filosofia Moral (1529), Súmulas (1530) embora sem sucesso. Em Novembro, deste ano, obteve interinamente, a cadeira de Filosofia Natural. Em 1531, recebeu o encargo de reger interinamente o curso de Filosofia Moral, vago pela saída de Pedro Nunes. Em 4 de Outubro de 1533, foi eleito deputado do Conselho da Universidade. Terá exercido clínica em Lisboa entre 1530 e 1534.

Em 12 de março de 1534, Garcia de Orta partiu para a Índia na armada e como físico do Capitão Mor do Mar da Índia, Martim Afonso de Sousa, recentemente vindo do Brasil, chegando à Índia em Setembro desse ano. Por um período de quatro anos, acompanhou-o nas campanhas de mar e terra na costa ocidental da Índia, de Diu a Ceilão, percorrendo a costa de Cambaia e atravessando o Golfo. Participou na expedição pela região de Guzarate, visitou os portos da Índia setentrional, penetrou no interior, atravessando toda a Península do Kathiawar, desde Diu até Ahmedábád. Viu por si o aspecto da vegetação daquela parte da Índia, com clima mais temperado e com certa aridez e as terras mais ricas e viçosas de Concan, Canará e Malabar, que mais tarde visitou. Viu a região de Malabar rica em diversos produtos vegetais que não vira no Norte e onde fez observações muito diferentes. Na baía de Bombaim visitou o templo de Elephanta, tornando-se o primeiro europeu a dar notícia deste local e da sua degradação, como veio a registar no Colóquio de Turbit. Assistiu à assinatura do tratado de aliança que Martim Afonso faz com o sultão Badur, pelo qual foi cedida Baçaím, que seria a capital da «provincia do Norte». Em 1535 estava em Diu onde os portugueses não tinham ainda construído a fortaleza e atravessou toda a península do Guzarate numa expedição militar comandada por Martim Afonso, contra os Mongóis, e em apoio do Badur. Entre 1534 e o final de 1538, Garcia de Orta viajou na companhia de Bahádur Sha, presenciou a tomada de Repelim ou a batalha de Beadalá, correndo a costa na armada. Passou algum tempo em Ceilão e daqui a Malabar, de onde se recolheu a Cochim e depois a Goa. No final de 1538, Martim Afonso de Sousa voltou a Portugal, enquanto Garcia de Orta ficava a residir em Goa, fazendo algumas viagens a Bombaim e visitas a Ahmednaggar. Trabalhou como físico mor de alguns vice reis, governadores gerais, e potentados indianos, com destaque para Bunham Nizam Sha. No tempo do governador Pedro de Mascarenhas tomou de aforamento a ilha de Mombaim - uma das sete ilhas sobre as quais se viria a fundar Bombaim. Foi também mercador de drogas ou coisas de natureza médica, jóias e pedras preciosas, dispondo para isso de navio próprio. Encontrou-se com persas, árabes, malaios, mercadores da Ásia e foi amigo de médicos e eruditos hindus, e muçulmanos, de todos colheu informações, plantas, produtos e objectos de que ouvira falar.

Brianda de Solis com quem casou e de quem teve duas filhas, era filha do mercador Henrique de Solis, chegado a Goa no final de 1541, proveniente de Alter do Chão. Tinham vindo na segunda armada comandada por Martim Afonso de Sousa. As suas irmãs Catarina e Isabel, chegaram em 1548, com a mãe, Violante Gomes, que faleceu em Goa, em 1557, sendo sepultada na igreja de Santa Catarina. As irmãs tinham estado presas na Inquisição em Lisboa. A casa de Garcia de Orta situava-se na parte alta da Cidade. Aí tinha uma biblioteca e um museu que foi formando com drogas raras e objectos que coleccionava. O levantamento das obras citadas nos Colóquios mostra que a sua biblioteca era muito completa, integrando os principais autores antigos e modernos, sobre botânica, matéria médica e farmácia, ciências ou partes de ciência então intimamente ligadas. Tinha um quintal ou horta onde plantou um Negundo e vários Jambos, como veio a referir nos Colóquios. Movia-o, segundo as palavras que pôs na boca de Ruano "[...] um grande desejo de saber das drogas medicinais (as que chamam lá em Portugal de botica) e destoutras mezinhas simples, que cá há, ou frutas todas, e da pimenta, das quais cousas queria saber os nomes em todas as línguas, assim das terras onde nascem e das árvores ou plantas que as criam, e assim queria saber como usam delas os físicos indianos, e também queria saber de algumas outras plantas e frutos desta terra, ainda que não sejam medicinais, e assim de alguns costumes desta terra, ou cousas que nela aconteceram, porque todas esta cousas hão-de ser ditas na verdade". Assim organizou e apresentou os assuntos nos Colóquios. A obra "Colóquios dos Simples" resultou das observações feitas durante mais de trinta anos de estadia na Índia, tempo em que estudou, refletiu, discutiu os clássicos, e apreendeu os conhecimentos dos seus homólogos indianos, ficando em condições de corrigir algumas das suas conclusões.

Na sua estadia na Índia, assistiu a diversos governos: de Nuno da Cunha, de D. Garcia de Noronha, D. Estêvão da Gama, Martim Afonso de Sousa, D. João de Castro, Garcia de Sá, Jorge Cabral, D. Afonso de Noronha, D. Pedro Mascarenhas, Francisco Barreto, D. Constantino de Bragança, do Conde de Redondo: conheceu o "periodo glorioso" e a "decadência acentuada" destes governos. Luís de Camões interveio a seu favor ao compor e enviar uma Ode ao Conde de Redondo, pedindo-lhe o favor e ajuda para a publicação dos "Colóquios". O livro foi impresso em 10 de abril de 1563, por Joannes de Endem, permanecendo em Goa até ao fim deste ano. Martim Afonso de Sousa morreu de volta a Lisboa, em 21 de julho de 1564.

O cunhado de Garcia de Orta, Leonel Peres, testemunhou o seu criptojudaísmo na Inquisição de Goa. Na primeira metade de 1568, Garcia de Orta morria de sífilis. Vários familiares seus foram presos. Na sequência do processo da Inquisição de Goa que condenou a irmã, Catarina de Orta, em 1569, e por suspeita da prática de criptojudeísmo, a Inquisição condenou também, Garcia de Orta, postumamente, e em dezembro de 1580, fez desenterrar os seus ossos da Capela de Santa Catarina de Goa para serem queimados, e as cinzas foram lançadas ao Mandovi. Não se conhecendo exemplares dos "Colóquios" em Goa, estes terão sido também queimados.

É considerado um pioneiro no domínio da farmacognosia em Portugal.
Custodial history
Na folha de rosto pode ler-se a seguinte informação em latim: Livro da Cartuxa de Scala Coeli de que o ilustríssimo e reverendíssimo D. Teotónio de Bragança, arcebispo de Évora, lhe fez doação, sendo fundador da mesma casa.
Scope and content
Inclui: o Alvará do Vice-Rei da Índia, o [3.º] Conde de Redondo [D. Francisco Coutinho, vigésimo Governador da Índia, oitavo no título de Vice-Rei] datado de Goa, 5 de novembro de 1562; a Dedicatória em prosa e em verso a Martim Afonso de Sousa, do Conselho do Rei, [amo e protector] do Autor a quem envia o livro para exame, e onde diz que compôs o seu tratado em latim, e depois o traduziu para português “por ser mais geral e porque sei que todos os que nestas indianas regiões habitam, sabendo a quem vai intitulado folgarão de o ler”; a Ode de Luís de Camões ao Conde de Redondo pedindo o seu patrocínio para a publicação dos “Colóquios”, que foi a primeira impressa do Poeta e nesta edição; as cartas em português e latim do licenciado Dimas Bosque, médico valenciano, ao licenciado Tomé Rodrigues da Veiga, datada de Goa, 2 de abril de 1563.

O conteúdo foi dividido em cinquenta e oito Colóquios mais um não numerado, os quais incluem personagens reais com excepção do Dr. Ruano que será fictício. Retoma a forma clássica do diálogo para dinamizar a exposição, a exploração e defesa dos conhecimentos que o Autor pretende transmitir através do interlocutor Orta. À margem são mencionados os nomes dos autores antigos comentados.

Colóquio Primeiro em que o Autor introduz o Doutor Ruano, e se propõe dizer a verdade, de falar sobre o que viu, sobre as coisas bem sabidas e acerca daquelas sobre as quais tem dúvidas, em oposição ao saber especulativo. Colóquio Segundo do Aloés. Colóquio Terceiro do Ambre [Âmbar]. Colóquio Quarto do Amomo. Colóquio Quinto do Anacardo. Colóquio Sexto do Árvore triste. Colóquio Sétimo do Altiht. Colóquio Oitavo do Bangue. Colóquio Nono do Benjuy [Benjoim]. Colóquio Décimo do Ber – refere o Xadrez e suas peças. Colóquio Undécimo do Cálamo Aromático. Colóquio Duodécimo da Cânfora. Colóquio Décimo Terceiro do Cardamomo. Colóquio Décimo Quarto da Cassia Fistola. Colóquio Décimo Quinto da Canela. Colóquio Decimo Sexto do Coco. Colóquio Décimo Sétimo do Costo. Colóquio Décimo Oitavo da Crisocola. Colóquio Décimo Nono das Cubebas. Colóquio Vigésimo da Datura. Colóquio Vigésimo Primeiro do Ebur ou Marfim. Colóquio Vigésimo Segundo do Faufel. Colóquio Vigésimo Terceiro do Folio Indo. Colóquio Vigésimo Quarto de Duas Maneiras de Galanga. Colóquio Vigésimo Quinto do Cravo. Colóquio Vigésimo Sexto do Gingiver [Gengibre]. Colóquio Vigésimo Sétimo de Duas Maneiras das Ervas. Colóquio Vigésimo Oitavo da Jaqua (Jaca). Colóquio Vigésimo Nono do Lacre. Colóquio Trigésimo do Linaloes. Colóquio Trigésimo Primeiro do Pao chamado Cate. Colóquio Trigésimo Segundo da Maça e Noz. Colóquio Trigésimo Terceiro da Manna purgativa [Maná] que são menos medicinais, e são de história, e boas para as saberem algumas pessoas. Colóquio Trigésimo Quarto das Mangas. Colóquio Trigésimo Quinto da Margarita ou Aljofar. Colóquio Trigésimo Sexto do Mungo e Melan da Índia. Colóquio Trigésimo Sétimo dos Mirabolanos. Colóquio Trigésimo Oitavo dos Mangostães. Colóquio Trigésimo Nono do Negundo ou Sambali. Colóquio Quadragésimo do Nimbo. Colóquio Quadragésimo Primeiro do Anfiam, dito assim corrompidamente porque o seu nome é Ópio. Colóquio Quadragésimo Segundo do Pau de Cobra. Colóquio Quadragésimo Terceiro da Pedra Diamão e da Pedra Armenia e da Pedra de Cevar. Colóquio Quadragésimo Quarto das Pedras Preciosas, Safira, Jacinto, Granada, Rubi, medicinais. Colóquio Quadragésimo Quinto da Pedra Bezar. Colóquio Quadragésimo Sexto da Pimenta Preta e Branca e longa e Canarim e Pexigos. Colóquio Quadragésimo Sétimo da Raíz da China. Colóquio Quadragésimo Oitavo do Ruibarbo. Colóquio Quadragésimo Nono de três Maneiras de Sândalo. Colóquio Quinquagésimo do Espiquenardo. Colóquio Quinquagésimo Primeiro do Espódio. Colóquio Quinquagésimo Segundo do Esquinanto. Colóquio Quinquagésimo Segundo dos Tamarinhos, Tamarindos. Colóquio Quinquagésimo Terceiro do Turbit: Malupa, físico de Goa. Colóquio Quinquagésimo Quarto de Thure que é Incenso e da Mirra. Colóquio Quinquagésimo Sexto da Tútia. Colóquio Quinquagésimo Sétimo da Zedoria [Zedoária] e Zerumbet. Colóquio Quinquagésimo Oitavo das Coisas Novas que vieram à noticia do Autor e das mezinhas ditas atrás e assim se acrescentam outras [muitas delas sabidas do Doutor Dimas Bosque]. Colóquio do Betre e outras cousas em que se ensina algumas faltas de toda a obra. Epigrama de Tomé Dias Caiado [latinista, cidadão de Goa] dedicado a Garcia de Orta. Erros de impressão. Tabuada do conteúdo (índice alfabético de assuntos).

O Autor utiliza sempre a mesma ordem de exposição dos fármacos da Índia. Em cada capítulo são tratados primeiramente os nomes que identificam a planta, em português, grego, latim, sânscrito, árabe e nos vários dialectos locais - deve notar-se a recolha de nomes de plantas e de drogas, de proveniência arábica, indiana, com origem nas línguas sanscríticas do Norte e nas línguas dravídicas do Sul, nomes singhalezes, malaios, entre outros, que o Autor registou como ouviu - em segundo lugar é dada a origem geográfica - os países onde aparecia espontaneamente ou era cultivada - , em terceiro lugar os mercados onde podiam ser encontrados. Em quarto lugar, oferece a descrição da planta, folhas, caule, flores, frutos. Em último lugar, apresenta as suas aplicações terapêuticas e a respectiva administração. Longe no tempo, de poder recorrer à morfologia e à terminologia botânicas, tal como os restantes autores seus contemporâneos, recorreu ao método do "confronto das plantas da Índia com outras existentes em Portugal". "Orta através das analogias que estabelece mostra-se um perspicaz observador". "Estabelecendo analogias ou identificações através dos nomes, e pela história dos locais de origem de cada planta, dá-nos uma ciência em statu nascendi. Essa história relata a proveniência e aspecto das plantas, úteis ou não úteis". Na obra são também referidas as pessoas conhecidas ou que lhe foram próximas, Antónia sua servidora, o mercador André de Milão, Simão Toscano, rendeiro de Bombaim, o Dr. Malupa médico indiano que tratava o seu pessoal. Sendo, maioritariamente, sobre botânica e matéria médica do Oriente, menciona factos da história da Índia, custumes, a maneira de viver e de sentir do tempo e da região - o que comia em sua casa e quem os preparava, os frutos em conserva -, a filosofia dos Indus (transmigração das almas), e os conhecimentos dos seus médicos, as visitas médicas, as "disputas médicas com o sultão de Cambaya ou com Nizah Scháh", o diálogo com o baneane no Bazar de Diu, o diferendo com o boticário presenciado pelo Governador. As viagens dos Chineses nos mares da Índia e no Golfo Pérsico, referidos no Colóquio da Canela, aspectos da história do Decão, onde indica os nomes e apelidos dos seus reis, que fixou no Colóquio do Ber.

Encadernação de couro gravada a seco, lombada impressa a ouro.
Arrangement
Obra organizada em Colóquios, ordenados alfabeticamente.
Access restrictions
Documentação sujeita a autorização para consulta e a horário restrito.
Physical location
Códices e documentos de proveniência desconhecida, n.º 88
Previous location
CF 88
Language of the material
Português, latim
Related material
Portugal, Biblioteca da Ajuda.

Portugal, Biblioteca de Évora.

Portugal, Biblioteca Nacional.

Portugal, Faculdade de Medicina do Porto.

Portugal, Fundação Casa de Bragança.

Portugal, Sociedade de Ciências Médicas de Lisboa.
Publication notes
Colóquio "O Jardim de Orta: Botânica, Medicina e Cultura nos Colóquios de Garcia de Orta". Lisboa, 2013. Cardoso, Adelino, ed. lit.; Costa, Palmira Fontes da, ed. lit. 1.ª ed. Lisboa: Colibri, 2015. ISBN:978-989-689-534-1.
CORREIA, Maximino José de Morais - “Discurso proferido na sessão solene em 24 de Maio de 1963, comemorativo do IV centenário do aparecimento em Goa dos ‘Colóquios dos Simples’ de Garcia d' Orta”. Lisboa: [s.n.], 1963. Sep. Bol. Academia Ciências Lisboa, 35. Exemplar existente na Biblioteca do ANTT: 317/07.
FICALHO, Conde de - “Garcia da Orta e o seu tempo”. Introd. Nuno de Sampayo. [Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda], colof. 1983. Reprodução fac-similada no quarto centenário da 1.ª edição. Exemplar existente na Biblioteca do ANTT, proveniente da Biblioteca da Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos Portugueses (CNCDP): 280/07.
FICALHO, Conde de - “Garcia da Orta e o seu tempo”. Lisboa: Impr. Nacional, 1886. Exemplar existente na Biblioteca do ANTT: SV 5927. São referidos os amigos, a biblioteca de Garcia de Orta, elencados os autores citados, são estudados os Colóquios a partir do exemplar da primeira edição existente na Biblioteca da Ajuda, nota biográfica de Charles L'Ecluse e como este encontrou um exemplar dos Colóquios, as sucessivas edições. Trabalhos científicos que citaram os Colóquios. Menção do Dr. Fluckiger sobre os Colóquios. Edições, resumos e arranjos muito diversos do original dos Colóquios.
LUZES, Pedro - “O Fascínio do Oriente na vida e na obra de Garcia d´Orta”. Afreudite. [Em linha]. n.º 7/8 (2008) Ano IV. p. 85-104. [Consult. 27 Ago. 2019]. Disponível em WWW:
ORTA, Garcia de - "Colóquios dos simples e drogas e cousas medicinais da Índia". Lisboa: Academia das Ciências, 1963. Reprodução fac-similada da edição impressa em Goa em 10 de abril de 1563 comemorando o Quarto Centenário da edição original. Exemplar existente na Biblioteca do ANTT: SV 7198, SV 8902.
ORTA, Garcia de - "Colóquios dos Simples e Drogas da Índia". Dir. e anotada pelo Conde de Ficalho. [Lisboa]: Imp. Nac.-Casa da Moeda, imp. 1987. 2 v. Reprodução em fac-símile da edição de 1891 dir. e anot. pelo Conde de Ficalho. Exemplar existente na Biblioteca do ANTT: 413 (1-2)/07. Caracteriza as edições de Clusius e as versões em outras línguas que lhe sucederam. Apresenta um comentário à edição de Francisco Adolfo de Varnhagen, de 1872. A reimpressão dos Colóquios pela Sociedade das Ciências Médicas de Lisboa. Edição crítica dos Colóquios.
ORTA, Garcia de - "Colloquios dos simples e drogas e cousas medicinaes da India e assi de algumas fructas achadas nella (varias cultivadas hoje no Brazil)". 2.ª ed.. Lisboa: Imprensa Nacional, 1872. Exemplar da primeira edição cedido pela Direcção da Biblioteca Imperial a Francisco Adolfo de Varnhagen. Exemplar existente na Biblioteca do ANTT: SV 3861. Menciona as edições devidas a Charles L'Ecluse (Clusius), a Aníbal de Briganti, a Cristóvão da Costa (Cristobal Acosta), entre outras.
Notes
Nota ao elemento de informação "Título": Por drogas se entende todos os medicamentos em geral, simples sendo aquelas drogas que são produtos vegetais ou animais, produtos imediatos (ou partes desses vegetais ou animais). Na medicina, um material simples serve por si só para actuar de forma terapêutica ou entrar na composição de um medicamento. Em botânica, é o nome de uma planta silvestre com propriedades medicinais.

Publicação em latim de um resumo dos Colóquios por Charles L'Ecluse (Clusius), a partir de um exemplar encontrado por este numa estalagem, em Portugal, cerca de 1564, e impressa por Christophe Plantin (1520-1589), em Antuérpia, em 1567. A publicação foi determinante para a sua divulgação no meio culto europeu. Maximino José Morais Correia refere que o Canto X dos "Lusíadas" tem referências da flora indiana e do Oriente que terão sido colhidas por Luís de Camões nos "Colóquios".

Francisco Adolfo de Varnhagen menciona as edições de 1574, 1579, 1582, 1584, 1593, 1595 e que a obra integrou a Colecção "Exoticorum", publicada com estampas, em Anvers em 1605, assim como as alterações que foram sendo feitas à edição original. Segundo o [4.º] Conde de Ficalho [Francisco Manuel de Melo Breyner] a publicação do botânico francês Clusius "[...] não é uma tradução, e sim um resumo ou epítome, diverso e muito diverso do original". As traduções italiana de Annibal Briganti e a francesa de Antoine Colin são versões do resumo de Clusius e não traduções do livro português.

A obra "Tractado de las drogas, y medecinas de las Indias Orientales con sus Plantas debuxadas al biuo por Christoual Acosta medico y cirujano que las vio ocularmente: en el qual se verifica mucho de lo que escriuio el Doctor Garcia de Orta…" En Burgos : por Martin de Victoria impressor de su Magestad, 1578. Primeira edição. Contém Tratado del elephante y de sus calidades. p. 417-448 deriva directamente dos Colóquios, inclui muitas observações do seu Autor, acrescentando ou rectificando observações de Garcia de Orta. O trabalho de Cristóvão da Costa foi também resumido por Clusius.

A obra de Garcia da Orta, o estudo da sua personalidade e o contributo que trouxe para o novo conhecimento no século XVI e seguintes encontra-se muito divulgado na internet. São exemplo:

Humanismo e ciência: Antiguidade e Renascimento. Coord. António Manuel Lopes Andrade; Carlos de Miguel Mora; João Manuel Nunes Torrão. Aveiro: UA, 2015. ISBN Digital: 978-989-26-0941-6. [Em linha]. [Consult. 28 Ago. 2019]. Disponível em WWW:URL: https://books.google.pt/books/about/Humanismo_e_Ci%C3%AAncia_Antiguidade_e_Renas.html?id=r4XOCwAAQBAJ&printsec=frontcover&source=kp_read_button&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false

M., D. J. - Garcia da Orta: ​Networking for Asian Medical Knowledge in the Age of Discovery. BLUE NETWORKS. Early Modern Networks. [Em linha]. [Consult. 30 Ago. 2019]. Disponível em WWW:.
Creation date
5/31/2010 12:00:00 AM
Last modification
7/16/2021 12:02:34 PM