A Fernão de Braga, escudeiro, morador na vila de Estremoz foi dada carta de perdão, a pedido do suplicante, que enviou dizer que ele fora vereador na dita vila e que o costume era que quando aí não havia carcereiro que os presos guardasse, que os vereadores elegessem um bom homem para guarda dos ditos presos, e que o juíz o constrangesse.

Description level
Item Item
Reference code
PT/TT/CHR/K/29/109-405V
Title type
Formal
Date range
1498-07-21 Date is certain to 1498-07-21 Date is certain
Dimension and support
33 linhas
Extents
33 Livros
Scope and content
Ora quando ele era vereador escolheu um carcereiro, mas o juiz não o quis nomear. Sem carcereiro, fugiram dois presos de noite. O suplicante conseguiu apanhá-los, mas só um foi condenado, tendo o outro voltado a fugir e, por isso, ele era condenado a 1 ano de degredo no couto de Mértola. Suplicava ao rei que lhe relevasse a pena, o que aconteceu, contanto que ele pagasse 2.000 reais para a Piedade, que logo pagou a D. Francisco, Bispo de Fez, esmoler, como se comprova por um seu assinado e por outro de Marcos Esteves, capelão ... El-rei e Principe o mandou pelos doutores Fernão Roiz, deão de Coimbra e do seu conselho, e Gonçalo de Azevedo, ambos ... e seus ... Francisco Dias a fez.
Physical location
Chancelaria de D. Manuel I, liv. 29, fl. 109v
Creation date
4/29/2011 12:00:00 AM
Last modification
4/29/2011 9:50:00 PM
Record not reviewed.