Digital representation
Digital representation thumbnail

Livro das Aves

Description level
Instalation unit Instalation unit
Reference code
PT/TT/MSML/B/5
Title type
Atribuído
Date range
1184 Date is certain to 1184 Date is certain
Dimension and support
1 códice (210 x 137 mm); perg.
Biography or history
A tradição oral de histórias tradicionais da região do Mediterrâneo Oriental encontrou um compilador anónimo em tempo que não é possível precisar, entre os sécs. II e V da era cristã. Algumas dessas histórias estão na Bíblia. Certas características e crenças relativamente a animais (autênticos ou fabulosos), plantas e pedras são usadas para delas se extraírem conclusões moralizantes. As ideias são muito simples, lineares, ingénuas, com o fim de tornar acessível a todos o pensamento místico e moral da Igreja. Essa recolhas são conhecidas pelo nome de Fisiólogo grego, do séc. XII, anónimo, e deste, primitivo, derivou o Fisiólogo latino, que seria do séc. V. O códice mais antigo que chegou até nós é do séc. VIII, atribuído a um monge de nome Teobaldo. O Livro das Aves deriva do bestiário De bestiis et aliis rebus de Hugo de Folieto, autor representativo do espírito medieval, dominado pela dicotomia entre sentido literal e sentido alegórico, pelo gosto e necessidade de síntese. Os bestiários correspondem à escultura com fins didácticos - a Bíblia dos pobres, como é por vezes chamada.
Scope and content
No prólogo do Livro das Aves diz-se claramente: «... tenho que escrever para um iletrado (...) o que a Escritura indica aos sabedores indicará a pintura aos simples...». Os caracteres extrínsecos das plantas e dos animais são apontados para servirem de elemento comparativo da simbologia mística. Assim, a pomba - a de Noé, é o símbolo da quietação; a de David - símbolo da fortaleza; a de Cristo - símbolo de salvação; a prateada com reflexos de ouro - símbolo da Igreja. Tem dois olhos, isto é, sentido moral e sentido místico; duas asas - vida activa e vida contemplativa; as patas avermelhadas significam o sangue dos mártires; o prateado das penas significa a mortificação da carne; o canto é um gemido; não tem fel; voa em bandos; escolhe os melhores grãos; não vive da rapina; não come carne morta; descansa na água corrente por causa do açor. O pelicano - alusão ao hábito lendário de matar os filhos, chorar sobre eles 3 dias e depois rasgar o peito às bicadas, derramar o sangue sobre eles e ressuscitá-los como Cristo. No cedro faz ninho a pomba; o cedro do Líbano é Cristo, os pássaros são os pregadores.

O galo é o pregador que anuncia a boa nova; o primeiro que acorda a manhã, ou seja, aquele que orienta as pessoas; a avestruz, com o seu pescoço muito alto, que dá nas vistas, é como os fariseus e os hipócritas; o milhafre, de voo mole, representa a tentação da volúpia, e o pavão, que levanta a cauda quando se lhe fala, transformando-se completamente, parece-se com o adulador. É curioso notar que a atribuição a alguns animais de certas características encontra eco nos cancioneiros. Assim, segundo o Livro das Aves, a rola que perde o companheiro fica sozinha para sempre, tal como no poema medieval galego:

La rula que viudou

xurou nó mais ser casada

no pousar en rama verde

ni beber en auga crara.

É o entendimento generalizado de um conjunto de códigos que espelham uma tendência marcante para ver no mundo sensível e real uma manifestação ou um contraponto de um mundo sobrenatural.

O texto apresenta-se regrado, com 21 linhas, a 1 coluna.
Access restrictions
Documento sujeito a autorização para consulta e a horário restrito.
Physical location
Ordem de Cister, Mosteiro de Lorvão, códice 5

Previous location
CF 90
Language of the material
Letra gótica.
Type of container
Outro
Alternative form available
Cópia microfilmada. Portugal, Torre do Tombo, mf. 148
Publication notes
CLARK, Willene B.-«The Illustrated Medieval Aviary and the Lay-Brotherood» Gesta 21/1, 1982, 63-74; ID. -The Medieval Book of Birds: Hugh of Fouilloy's Aviarium. Binghamton (N. Y.), 1992.
HUGO DE FOLIETO, 1096-1172 .Livro das aves / Hugo de Folieto, trad. e introd. por Maria Isabel Rebelo Gonçalves. 1ª ed . - Lisboa : Colibri, 1999. - 195, [2] p. ; 24 cm. - (Obras clássicas da literatura portuguesa ; 61) . - Tít. orig.: De bestiis et aliis rebus - I. de avibus. - Bibliografia.
NASCIMENTO, Aires Augusto – Tempos e livros medievos: os antigos códices de Lorvão – do esquecimento à recuperação de tradições. In Ler contra o tempo: condições dos textos na cultura portuguesa: ( recolha de estudos em hora de vésperas). Lisboa: Centro de Estudos Clássicos - Faculdade de Letras, 2012. 2 vol.. ISBN: 978-972-9376-28-3. V. 1, p. 389-410.
Notes
Título atribuído.



ttonline_tesouros_grandes_iluminados
Creation date
24/03/2010 00:00:00
Last modification
14/04/2014 11:14:15