Real Fábrica das Sedas e Fábricas Anexas

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/TT/RFS
Title type
Atribuído
Date range
1734 Date is certain to 1835 Date is certain
Dimension and support
1106 liv., 1 mç.; papel
Biography or history
A Real Fábrica das Sedas foi, no seu início, resultado de uma iniciativa de Robert Godin, que em 1731, requereu autorização para estabelecer uma fábrica de tecidos de seda. No entanto, só em 1734 conseguiu concretizar esse projecto ao reunir os fundos necessários para a edificação da fábrica com a formação da Companhia da Fábrica das Sedas.

Após um período de decadência, este empreendimento acabou por se tornar propriedade da Fazenda Real. Por Decreto de 14 de Maio de 1750, expedido pelo Conselho da Fazenda, Vasco Lourenço Veloso foi incumbido da administração da fábrica, entrando em exercício efectivo a 15 de Junho de 1750. Apesar dos esforços desenvolvidos por Vasco Lourenço Veloso para restabelecer a fábrica das sedas, e inexistência de subsídios, que cobrissem as necessidades da sua laboração, fez subsistir o problema da falta de fundos.

Tendo sido criada por Decreto de 30 de Setembro de 1755, a Junta do Comércio destes Reinos e seus Domínios teve também a incumbência da administração da Real Fábrica das Sedas. Tornando-se impraticável a sua administração directa, foi criada uma direcção subordinada à mesma Junta, para que a regesse conforme os Estatutos, confirmados pelo Alvará de 6 de Agosto de 1757, sendo da mesma data o Regimento Secretíssimo. Pelos Estatutos foi criada uma Direcção, subordinada à Junta do Comércio destes Reinos e seus Domínios, e composta por 4 directores. Por Alvará de 22 de Setembro de 1758, foi criado um quinto lugar de director para o qual foi nomeado Roberto Godin, o fundador da Companhia da Fábrica das Sedas.

O plano de edificação do bairro das Águas Livres para o estabelecimento dos fabricantes de seda incorporados na Real Fábrica foi aprovado por Decreto de 14 de Março de 1759. O epíteto de Real Colégio de Manufacturas Nacionais demonstra bem que a Real Fábrica das Sedas não se dedicava apenas ao fabrico de manufacturas de seda. Para além das aulas de debuxo e de estuque, havia estrutura de apoio aos aprendizes, como sejam o refeitório e a enfermaria.

Na sua dependência, ou sob a sua inspecção, foram surgindo uma série de fábricas, as designadas "fábricas anexas". A diversidade destas fábricas está presente não só na sua dimensão (algumas não seriam mais do que simples oficinas), como nos produtos manufacturados.

Em 18 de Julho de 1777, sendo extintas por alvará a Direcção da Real Fábrica das Sedas e a Junta das Obras de Águas Livres, estas aparecem reunidas sob a designação de Junta da Administração das Fábricas do Reino e Obras de Águas Livres.

A Direcção da Real Fábrica das Sedas foi restabelecida pela Carta de Lei de 5 de Junho de 1788, passando novamente a superintendência das fábricas para a Real Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação.

Nos primeiros anos do século XIX a Real Fábrica das Sedas entrou num processo de decadência.

Pelo Decreto de 6 de Agosto de 1833 foi extinta a Direcção da Real Fábrica das Sedas e Obras de Águas Livres, sendo demitidos os membros da mesma direcção.

Uma Portaria do Ministério do Reino, de 27 de Julho de 1835, mandou que se procedesse à venda em hasta pública de todos os seus prédios.

No aspecto orgânico-funcional a Real Fábrica das Sedas manteve, sensivelmente, a mesma estrutura ao longo dos tempos, podendo dividir-se em quatro grandes áreas: administração, contabilidade, produção e venda. A cada uma destas áreas corresponderam uma ou diversas repartições: Direcção, Contadoria, Administração da Seda Crua e Materiais, Administração da Seda Tinta, Administração do Tirador e Galões e Administração da Venda.
Custodial history
Não se conhece a história custodial de grande parte desta documentação, nem a data da sua entrada na Torre do Tombo. Existe, apenas, o registo de entrada relativo a quatro livros, remetidos pelo contador Geral da Administração da Fábrica das Sedas, por ofício de 12 de Setembro de 1833 (Portugal, Torre do Tombo, Instituto dos Arquivos Nacionais/Torre do Tombo, Avisos e ordens, mç. 15, nº 105).

Um livro e um maço foram adquiridos em 27 de Julho de 2007 por permuta com a Biblioteca Nacional de Portugal.
Scope and content
Documentação com informações para a história da indústria em Portugal, seja para o têxtil (sedas, lanifícios, linhos e algodão, chapéus), da indústria do papel (cartas de jogar e impressão), da metalurgia (fundição de metais, cutelaria, limas, serralharia) e muitos outros sectores da indústria transformadora (carpintaria, louças, relógios, botões, pentes, caixas de papelão). Contém também informação para a história do ensino industrial (aula de debuxo, escolas de fiação, regulamentação de aprendizes) e da estrutura do trabalho fabril em Portugal.
Arrangement
A documentação encontra-se organizada segundo critérios orgânicos e funcionais.
Access restrictions
Comunicável sem restrições legais.
Other finding aid
ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO - [Base de dados de descrição arquivística]. [Em linha]. Lisboa: ANTT, 2000- . Disponível no Sítio Web e na Sala de Referência da Torre do Tombo. Em actualização permanente.

Guias e roteiros:

PORTUGAL. Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo. Direcção de Serviços de Arquivística - "Real Fábrica das Sedas e Fábricas Anexas". in Guia Geral dos Fundos da Torre do Tombo: Instituições do Antigo Regime, Administração Central (3). Coord. Maria do Carmo Jasmins Dias Farinha; António Frazão; elab. António Frazão; Joaquim Machado; fot. José António Silva. Lisboa: IAN/TT, 2000. vol. 3. (Instrumentos de Descrição Documental). ISBN 972-8107-60-9. p. 52-90. Acessível no IAN/TT, IDD (L. 602).

Inventários:

SOUSA, Joana Braga de - Real Fábrica das Sedas: Inventário. [Dactilografado]. 1993. Acessível no IAN/TT, IDD (L.567 ).

PORTUGAL. Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo - CALM: Descrições Arquivísticas. Lisboa: IAN/TT, 2004. Real Fábrica das Sedas e Fábricas Anexas.
Related material
Relação complementar:

Portugal, Arquivo Histórico do Ministério das Obras Públicas, Junta do Comércio;

Portugal, Torre do Tombo, Casa da Suplicação (PT-TT-CS);

Portugal, Torre do Tombo, Condes de Linhares (PT-TT-CLNH);

Portugal, Torre do Tombo, Erário Régio (PT-TT-ER);

Portugal, Torre do Tombo, Intendência Geral da Polícia (PT-TT-IGP);

Portugal, Torre do Tombo, Junta do Comércio (PT-TT-JC);

Portugal, Torre do Tombo, Ministério das Finanças (PT-TT-MFN);

Portugal, Torre do Tombo, Ministério do Reino (PT-TT-MR);

Outras entidades detentoras de fontes relacionáveis:

Portugal, Biblioteca Nacional de Portugal;
Publication notes
CUSTÓDIO, Jorge - Considerações sobre Acúrcio das Neves, os melhoramentos económicos e a industrialização portuguesa. In NEVES, José Acúrcio das - Memória sobre os meios de melhorar a indústria portuguesa considerada nos seus diferentes ramos. Lisboa: Querco, 1983.
MACEDO, Jorge Borges de - A situação económica no tempo de Pombal: alguns aspectos. Porto: Portugália, 1951. 307 p.
MACEDO, Jorge Borges de - Problemas de história da indústria portuguesa no século XVIII. 2ª ed. Lisboa: Querco, 1982.
MOREIRA, Alzira Leite Teixeira - O regimento secretíssimo da Real Fábrica das Sedas - 1757: subsídios para a história da sericultura em Portugal. Lisboa : [s.n.], 1983. Sep. de "Revista da Biblioteca Nacional", Lisboa, 3 (1/2), p. 75 - 104.
NEVES, José Acúrsio das - Memória sobre alguns acontecimentos mais notáveis da administração da Real Fábrica das sedas desde o ano de 1810, e sobre os meios do seu restabelecimento, dirigida à Corte do Rio de Janeiro e ao Governo de Portugal no ano de 1819. In NEVES, José Acúrcio das - Obras completas de José Acúrsio das Neves. Porto: Afrontamento, s.d., p. 35-66.
NEVES, José Acúrsio das - Noções históricas económicas e administrativas sobre a produção e a manufactura das sedas em Portugal, particularmente sobre a Real Fábrica do subúrbio do Rato e suas anexas. In NEVES, José Acúrcio das - Obras completas de José Acúrsio das Neves. Porto: Afrontamento, s. d., vol. 4, p. 145-320.
NEVES, José Acúrsio das - Memória sobre os meios de melhorar a indústria portuguesa considerada nos seus diferentes ramos. Lisboa: Querco, 1983.
PEREIRA, João Manuel Esteves - A Covilhã e a indústria dos lanifícios. In PEREIRA, J. M. Esteves - Subsídios para a história da indústria portuguesa. Lisboa: Guimarães Editores, 1979, p. 147-190.
RATTON, Diogo - Recordações de Jacome Ratton sobre as ocorrencias do seu tempo, de Maio de 1747 a Setembro de 1810. 2ª ed. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1920. -Tít. da capa: Recordações e memórias sobre ocorrências do seu tempo, a estátua equestre de D. José e as fábricas de papel, caixas, fiacção, chitas, pentes e relógios.
SANTOS, Celso Francisco dos - João Maria Policarpo May: Debuxador e Lene da Aula de Desenho da Real Fábrica das Sedas. Revista da Faculdade de Letras (Porto). Porto. I série, vol.1 (2002), p.203-209.
Creation date
1/14/2008 12:00:00 AM
Last modification
9/23/2013 3:52:15 PM